Print preview Close

Showing 51 results

Archival description
Ijuí - Rio Grande do Sul - Brasil
Print preview View:

Paisagem fotográfica: vista arquitetônica e paisagem natural da propriedade da família Gieseler; Luiz Germano Gieseler (autor).

Local: Propriedade da Família Gieseler. Linha1, Leste, Ijuí, RS, Brasil. A imagem mostra o moinho, ao lado a residência da família Gieseler e os galpões. Ao lado oposto da propriedade está a cachoeira do Rio Potiribu e a Usina Hidrelétrica (hoje Usina Velha), com apenas a primeira turbina geradora de energia. A foto pode ser do período entre 1923 e 1932, cuja vista da imagem foi capturada da estrada que dá acesso à Usina. Fonte: adpatado da pesquisa e relato feitos por Edgar Beno Gieseler, pasta 1

Paisagem fotográfica: vista arquitetônica e paisagem natural da propriedade da família Gieseler; Luiz Germano Gieseler (autor).

Local: Propriedade da Família Gieseler. Linha1, Leste, Ijuí, RS, Brasil. A imagem mostra o moinho, ao lado a residência da família Gieseler e os galpões. Ao lado oposto da propriedade está a cachoeira do Rio Potiribu e a Usina Hidrelétrica (hoje Usina Velha), com apenas a primeira turbina geradora de energia. A foto pode ser do período entre 1923 e 1932, cuja vista da imagem foi capturada da estrada que dá acesso à Usina. Fonte: adpatado da pesquisa e relato feitos por Edgar Beno Gieseler, pasta 1

Fotografia de fatos da atualidade: vista parcial arquitetônica Igreja do Relógio (IECLB); Luiz Germano Gieseler (autor).

Local: Praça da república, ijuí, Rio Grande do Sul (RS), Brasil. A Igreja do Relógio, oficialmente Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), localizada na Praça da República, também foi conhecida por "Igreja da Cruz" pelo formato de construção em cruz, como das capelas em estilo gótico, cuja planta baixa mostra a forma de crucifixo. "A foto, sem data, provavelmente no dia de sua inauguração, o espaço frontal é a Praça da República, nota-se uma cerca que protegia a praça da entrada de cavalos a qual também servia para amarrá-los pelo lado da rua. A Comunidade Evangélica de Ijuí iniciou suas atividades oficialmente na então Colônia de Ijuhy no dia 19 de janeiro de 1895, em acordo com relatos encontrados nas buscas da pesquisa realizada. A igreja teve sua planta elaborada durante o ano de 1907 e inaugurada em 08 de maio de 1914, a pedra fundamental teve seu lançamento em 07 de janeiro de 1909. Os preparativos e o movimento para a construção do templo principal da igreja iniciaram na gestão do pastor Hermann Rosenfeld, de 1903 a 1912, porém este não presenciou a construção da obra pois voltou para sua pátria de origem Alemanha, de 1912 a 1913 foi substituído pelo pastor Hans Henn. Em março de 1913 Henn foi substituído pelo pastor Karl Gottschald, sendo a igreja inaugurada na gestão deste e Albino Brendler, cujo nome completo era Arthur Albino Brendlerfoi presidente da comissão de construção". Fonte: texto adaptado da pesquisa e relato feitos por Edgar Beno Gieseler, pasta 1

Fotografia fatos da atualidade: vista parcial do evento da Escola Alemã; Luiz Germano Gieseler (autor).

A imagem, sem data registrada mostra o primeiro prédio próprio do Colégio Evangélico Augusto Pestana (CEAP), parece estar ocorrendo uma festa no local. O CEAP foi inaugurado em 18 de outubro de 1914, cujos terrenos foram doados pelo intendente provisório de Ijuí, ainda em 1912, engenheiro Augusto Pestana. A escola contava com duas salas de aula e uma sala para a secretaria, as paredes eram de madeira e as divisórias eram de alvenaria. Sua origem se deu com a fundação de Escola Alemã em 1899, porém em outro local, também conhecida como "Escolinha da Roça”. Nos dois primeiros anos funcionou na baixada da atual Avenida Coronel Dico em um casebre/galpão emprestado por Luiz Keller. A pequena escola fechou por dois anos e em 1903 reabriu como "Escola Paroquial" junto da Casa Paroquial da Comunidade Evangélica de Ijuí até 1914, local em que hoje está o Centro Evangélico de Confissão Luterana no Brasil (IECLB). O local da sede do CEAP que mostra a imagem, desde 1914 permanece em funcionamento, mas com edificação mais recente de alvenaria e funciona até hoje (2018). Fonte: Adaptado da pesquisa e relato de Edgar Beno Gieseler, pasta 1.

Fotografia fatos da atualidade: vista parcial do evento da Escola Alemã; Luiz Germano Gieseler (autor).

A imagem, sem data registrada mostra o primeiro prédio próprio do Colégio Evangélico Augusto Pestana (CEAP), parece estar ocorrendo uma festa no local. O CEAP foi inaugurado em 18 de outubro de 1914, cujos terrenos foram doados pelo intendente provisório de Ijuí, ainda em 1912, engenheiro Augusto Pestana. A escola contava com duas salas de aula e uma sala para a secretaria, as paredes eram de madeira e as divisórias eram de alvenaria. Sua origem se deu com a fundação de Escola Alemã em 1899, porém em outro local, também conhecida como "Escolinha da Roça”. Nos dois primeiros anos funcionou na baixada da atual Avenida Coronel Dico em um casebre/galpão emprestado por Luiz Keller. A pequena escola fechou por dois anos e em 1903 reabriu como "Escola Paroquial" junto da Casa Paroquial da Comunidade Evangélica de Ijuí até 1914, local em que hoje está o Centro Evangélico de Confissão Luterana no Brasil (IECLB). O local da sede do CEAP que mostra a imagem, desde 1914 permanece em funcionamento, mas com edificação mais recente de alvenaria e funciona até hoje (2018). Fonte: Adaptado da pesquisa e relato de Edgar Beno Gieseler, pasta 1.

Paisagem fotográfica: vista arquitetônica da praça da República de Ijuí; Luiz Germano Gieseler (autor).

O centro de Ijuí tem como espaços destacados, a primeira praça, a atual Praça da República, bem como as igrejas luterana e católica, que ficam neste local: de um lado a Igreja Matriz Nossa Senhora da Natividade (Católica Apostólica Romana), do outro, a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), conhecida localmente como “Igreja do Relógio”.
FORMA DO CONTEÚDO:
Local: Praça da República, Ijuí, RS, Brasil. Primeiro Plano: tem como objeto central, a praça, com a arborização terminada em 1913. Plano de detalhes: cercas de proteção em volta da praça, para bloquear a entrada de animais, principalmente o cavalo, que era muito utilizado na época como meio de transporte e estes eram amarrados nas cercas, enquanto seus proprietários estavam em seus compromissos no centro. Plano de fundo: aparece a Igreja Matriz Nossa Senhora da Natividade, com prédio da época e torre do sino em estrutura de madeira, bem como edificações ao lado.

Paisagem fotográfica: vista parcial e paisagem natural do moinho dos Gieseler; Luiz Germano Gieseler (autor).

Local: Propriedade da Família Gieseler. Linha1, Leste, Ijuí, RS, Brasil. A imagem mostra o prédio do moinho colonial de Luiz Germano Gieseler, juntos à cascata do Rio Potiribu, Usina Velha. Na janela aparecem Maria Emilie com um dos filhos, na outra janela ao lado, outro filho e no andar de baixo, na escada da porta de entrada, mais um dos filhos em pé. Também, em torno do moinho estão alguns animais como porcos soltos no pátio.

Fotografia criativa: vista parcial arquitetônica da roda d´água do moinho dos Gieseler; Luiz Germano Gieseler (autor).

Local: Propriedade da Família Gieseler. Linha1, Leste, Ijuí, RS, Brasil. Data da foto está relacionada à data da imagem do "lenhador" (LGG C29 305), devido à geada, em 22/07/1915. A imagem mostra a água congelada que vem da bica do rio, também no cocho de água para equinos, próximo à roda do moinho, instalado para os animais dos clientes que ali paravam. Fonte: texto aptado da pesquisa e relato feitos por Edgar Beno Gieseler, pasta 1.

Results 1 to 10 of 51