Mostrando 4364 resultados

Descrição arquivística
Item
Opções de pesquisa avançada
Visualizar impressão Hierarchy Visualizar:

2207 resultados com objetos digitais Mostrar os resultados com objetos digitais

Retrato fotográfico do casamento de Henrique Arthur Max Gieseler e Justina Ida Lausch. Luiz Germano Gieseler (autor).

FORMA DO CONTEÚDO:
Local: Linha 1, Leste-Ijuí, RS, Brasil. Casal de noivos Henrique Arthur Max Gieseler e Justina Ida Lausch, que que posam para fotografia em frente à porta da residência da propriedade da família Gieseler. Primeiro Plano: os noivos estão no centro da imagem, posicionados no último degrau da escada em frente à posta residencial e ambos estão em posição de frente para o outro, em leve sentido diagonal, onde ela olha em direção à câmera e ele olha para a lateral. O vestido da noiva é na cor branca, no estilo que segue nos anos 1920, mais soltos e curtos, cortes mais retos com sapatos e parte das pernas a mostra, possui véu e ela segura um grande buquê de flores numa das mãos. Plano de detalhes: eles não estão sorrindo e preservam os braços relaxados, que não estão entrelaçados. Plano de fundo: o ambiente da cena é externo, o entorno da escada e porta está decorado com folhagens tropicais (palmeira leque) e um vaso no degrau. Henrique Arthur (14/09/1896-20/07/1978), também chamado apenas por Max era o filho mais velho dentre os rapazes, sendo Anna Emilia nascida primeiramente, ainda em Santa Cruz como ele.
FORMA DA EXPRESSÃO: fotografia posada; enquadramento I: vertical; enquadramento II: centro; enquadramento III: 3 planos; enquadramento IV: objeto central: casal de noivos; nitidez I (foco): objeto central e demais planos no foco; nitidez II (impressão visual) o contraste é suficiente (linhas definidas) no objeto central e demais planos; nitidez III (iluminação) clara sem sombras.

Luiz Germano Gieseler

Fotografia de viagem: retrato da família Hauth. Luiz Germano Gieseler (autor).

João Hauth e sua famíia eram vizinhos e amigos da família Gieseler e Niedesberg em Santa Cruz do Sul/RS. João foi padrinho de batismo em 06/08/1899 de Emílio Ernesto Gieseler (filho de Luiz Germano Gieseler).
Local: Residência da família Hauth, Santa Cruz do Sul, Rio Grande do Sul (RS), Brasil. Conforme legenda da embalagem traduzida do alemão: 6) 4 filhos de João Hauth". A fotografia foi tirada Santa Cruz do Sul/RS, local onde hoje é a Linha Travessa, em frente à casa onde residia Maria Emilie Niedesberg (esposa de Luiz Germano Gieseler) e sua família. No centro da imagem está o casal João Hauth e sua esposa.

Fotografia de viagem: vista parcial da Praça da bandeira e Gruta da Coquinha em Santa Cruz do Sul – RS, com Sofia Klever e Emilie Anna Gieseler. Luiz Germano Gieseler (autor).

Local: Local: Praça da bandeira e Gruta da Coquinha, Santa Cruz do Sul, Rio Grande do Sul (RS), Brasil. Praça da Gruta, na época poderia ser assim chamada, hoje, sua denominação oficial é Praça da Bandeira, e o nome da Gruta: Coquinha. A imagem mostra à direita Sofia Klever, nascidade Niedesberg, à esquerda é Emílie Anna Gieseler. Conforme legenda da embalagem traduzida do alemão: "12) Praça da Gruta S.Cruz.".

Retrato do bebê Ida Erika Gieseler. Luiz Germano Gieseler (autor).

Neta de Luiz Germano, Ida Erika Gieseler (07/01/1928, Ijuí-RS-13/06/2012, Tunas/Santa Rosa-RS), filha de Henrique Arthur Max e Justina Ida, nascida Lausch. Ida Erika foi casada com Gustavo Essenburg, alguns de seus filhos eram Helga e Conrado.
Local: Propriedade da Família Gieseler. Linha1, Leste, Ijuí, RS, Brasil. A imagem mostra Ida Erika Gieseler tomando banho numa banheira de metal, localizada na varanda da casa de seu pai, Luiz Germano. A residência ficou pronta em 1912.

Fotografia fatos da atualidade: fotografia documental de evento esportivo em Ijuí-RS. Luiz Germano Gieseler (autor).

Local: Ijuí, Rio Grande do Sul, Brasil. Apresentação de um grupo de ginastas da época na Praça da República, lado sul, nota-se à esquerda os palanques da cerca que protegia a praça e a torre de madeira que abrigava o sino da primeira construção da Igreja Matriz Nossa Senhora da Natividade, com os primeiros coqueiros plantados. Fonte: pesquisa feita por Edgar Beno Gieseler, conforme pasta 1.

Fotografia de fatos da atualidade evento esportivo em Ijuí. Luiz Germano Gieseler (autor).

Local: Ijuí, Rio Grande do Sul, Brasil. O período aproximado pode ser entre 1910 e 1912. Na cena do evento esportivo aparecem um colchão sobre o chão para amaciar a queda, espectadores, juiz, etc. Ao fundo poucas casas, prevalece a mata, o local da apresentação deve ser nas imediações do atual (2018) colégio Ruizinho e Primeira Igreja Batista. No plano de fundo da imagem, onde aparece a mata, deve ser o local onde atualmente está sediada a Sociedade Ginástica Ijuí - SOGI. Fonte: adaptado da pesquisa feita por Edgar Beno Gieseler, conforme pasta 1.

Paisagem fotográfica de fatos da atualidade: vista arquitetônica das obras da Usina Hidrelétrica (Usina velha). Luiz Germano Gieseler (autor).

A imagem mostra as obras da Usina pela empresa Luchsinger e Cia, junto à cascata, cachoeira do Rio Potiribu num período que poderia ser a segunda década de XX. "Inicialmente foi instalada uma turbina hidráulica (movida à água) como mostra a foto. A queda dá água ao fundo, com 11,20 metros, de acordo com projeto da usina de 1920, do relatório de 1º/12/1919 a 30/11/1920, gera a força para mover a turbina, as tubulações da foto, em três partes, após montadas numa tubulação só, conduz a água a partir de um canal, bem acima à direita na foto, até a turbina. O prédio também em construção abriga até hoje o mecanismo gerador da energia elétrica. Foi inaugurada em 15 de novembro de 1923, recebida neste dia pelo então Intendente Municipal Coronel Antônio Soares de Barros, o Coronel Dico. Em junho de 1923, a título de experiência, começou a funcionar a iluminação pública de Ijuí, conforme Relatório da Intendência Municipal de Ijuí, 1º/12/1919 a 30/11/1920. Na época, sendo maior a geração de energia elétrica do que o consumo, o excedente era vendido para o município de Santo Ângelo, a partir de julho de 1924, cujo contrato tinha o prazo de 29 anos durante as 24 horas, do dia. A rede de alta tensão condutora da energia elétrica para o vizinho município de Santo Ângelo iniciava junto da Usina Velha, atravessando o rio Potiribu e na propriedade do meu avô Luiz Germano Gieseler tinha início a colocação dos postes de madeira para sustentação da mesma, seguindo até Santo Ângelo. Após o encerramento do contrato de fornecimento de energia a rede foi desativada e desmanchada, sendo que a sua contratação foi executada pelo engenheiro Luiz Carlos Prestes, o qual várias vezes almoçou e jantou na casa dos meus avós, posteriormente ele foi o líder da famosa "Coluna Prestes". A residência dos meus avós, na época, foi uma das primeiras moradias do município beneficiados com eletricidade. Posteriormente, na foto, no local onde estão depositadas as tubulações, foi construído o prédio para a instalação da segunda turbina, inaugurada em 1932. Não possuo a identificação das pessoas da foto. No lado esquerdo da foto, bem ao nível de cima da queda d´água nota-se o início da "bica" que conduzia a água para mover o moinho da nossa família, localizado no lado oposto da usina e do Rio Potiribu". Fonte: pesquisa feita por Edgar Beno Gieseler, conforme pasta 1.

Paisagem fotográfica de fatos da atualidade: vista arquitetônica das obras da Usina Hidrelétrica (Usina velha). Luiz Germano Gieseler (autor).

A imagem mostra as obras da Usina pela empresa Luchsinger e Cia, junto à cascata, cachoeira do Rio Potiribu num período que poderia ser a segunda década de XX. "Inicialmente foi instalada uma turbina hidráulica (movida à água) como mostra a foto. A queda dá água ao fundo, com 11,20 metros, de acordo com projeto da usina de 1920, do relatório de 1º/12/1919 a 30/11/1920, gera a força para mover a turbina, as tubulações da foto, em três partes, após montadas numa tubulação só, conduz a água a partir de um canal, bem acima à direita na foto, até a turbina. O prédio também em construção abriga até hoje o mecanismo gerador da energia elétrica. Foi inaugurada em 15 de novembro de 1923, recebida neste dia pelo então Intendente Municipal Coronel Antônio Soares de Barros, o Coronel Dico. Em junho de 1923, a título de experiência, começou a funcionar a iluminação pública de Ijuí, conforme Relatório da Intendência Municipal de Ijuí, 1º/12/1919 a 30/11/1920. Na época, sendo maior a geração de energia elétrica do que o consumo, o excedente era vendido para o município de Santo Ângelo, a partir de julho de 1924, cujo contrato tinha o prazo de 29 anos durante as 24 horas, do dia. A rede de alta tensão condutora da energia elétrica para o vizinho município de Santo Ângelo iniciava junto da Usina Velha, atravessando o rio Potiribu e na propriedade do meu avô Luiz Germano Gieseler tinha início a colocação dos postes de madeira para sustentação da mesma, seguindo até Santo Ângelo. Após o encerramento do contrato de fornecimento de energia a rede foi desativada e desmanchada, sendo que a sua contratação foi executada pelo engenheiro Luiz Carlos Prestes, o qual várias vezes almoçou e jantou na casa dos meus avós, posteriormente ele foi o líder da famosa "Coluna Prestes". A residência dos meus avós, na época, foi uma das primeiras moradias do município beneficiados com eletricidade. Posteriormente, na foto, no local onde estão depositadas as tubulações, foi construído o prédio para a instalação da segunda turbina, inaugurada em 1932. Não possuo a identificação das pessoas da foto. No lado esquerdo da foto, bem ao nível de cima da queda d´água nota-se o início da "bica" que conduzia a água para mover o moinho da nossa família, localizado no lado oposto da usina e do Rio Potiribu". Fonte: pesquisa feita por Edgar Beno Gieseler, conforme pasta 1.

Resultados 1 até 10 de 4364