Imprimir vista previa Cerrar

Mostrando 106 resultados

Descripción archivística
Luiz Germano Gieseler
Opciones avanzadas de búsqueda
Imprimir vista previa Hierarchy Ver :

25 resultados con objetos digitales Muestra los resultados con objetos digitales

Prática Fotográfica

Refere-se aos documentos, principalmente fotográficos acumulados no decorrer da fotografia, uma habilidade de Luiz Germano Gieseler, que reuniu vários temas e gêneros fotográficos no âmbito do círculo/núcleo familiar (cônjuge e filhos), como em suas relações com comunidade local. Outros gêneros documentais foram produzidos no decorrer dessa função, como textuais e tridimensionais, principalmente para as revelações fotográficas em laboratório. Constituído pelas seguintes subséries, que representam subfunções:
031 SUBSÉRIE Relações no âmbito familiar
031.1 SUBSUBSÉRIE Controle de bens patrimoniais e economia familiar
031.2 SUBSUBSÉRIE Recordações pessoais e círculo/núcleo familiar
031.3 SUBSUBSÉRIE Recordações de eventos sociais familiares
032 SUBSÉRIE relações com a comunidade e o município
032.1 SUBSUBSÉRIE Cobertura fotográfica de eventos sociais privados
032.2 SUBSUBSÉRIE Cobertura fotográfica artísticas e informativas em eventos públicos
033 SUBSÉRIE Processo fotográfico em laboratório
033.1 SUBSUBSÉRIE Revelações fotográficas

Paisagem fotográfica: residência da família Gieseler, vista arquitetônica. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-310-312-D4-LGG NOV 270
  • Unidad documental simple
  • [+-1912-1913]
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

A casa família Gieseler foi projetada por Luiz Germano Gieseler e por ele construída com ajuda de um grupo de homens, que não há registro quem eram exatamente. A conclusão da obra foi em 1912 e a edificação existe até hoje (2018) e possui três níveis: o porão no nível inferior; no nível intermediário, ficam as portas de acesso, janelas dos cômodos e a varanda; no nível superior, o sótão com janela. A cobertura da edificação possui telhas de madeira falquejada e a chaminé coberta com folhas de zinco.
FORMA DO CONTEÚDO:
Local: Linha 1, Leste-Ijuí, RS, Brasil. Primeiro Plano: uma perspectiva da construção com destaque a duas fachadas: uma em direção ao sul, com palmeira na lateral e apenas janelas; outra, em direção leste, com varanda e jardineira, que dá de frente para o rio Potiribu. Plano de detalhes: no pátio estão as sobras dos materiais utilizados na construção da edificação. Plano de fundo: uma segunda construção que fica para a fachada da cozinha da residência, onde está localizada a chaminé. A casa, com três níveis: o porão no nível inferior; no nível intermediário, ficam as portas de acesso, janelas dos cômodos e a varanda; no nível superior, o sótão com janela. A cobertura da edificação possui telhas de madeira falquejada e a chaminé coberta com folhas de zinco. A construção da casa foi concluída em 1912. Casa residencial de Luiz Germano Gieseler, vista da lateral sul.

Retrato fotográfico do casamento de Estanislau Kaczmarek e Wadislava Angieski do distrito Santana. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-320-321-D1-LGG NOV 277
  • Unidad documental simple
  • 12/05/1920
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

FORMA DO CONTEÚDO:
Local: antigo Povoado Santana-distrito rural Santana, Ijuí, RS, Brasil. Casal Estanislau Kaczmarek e Wadislava Angieski da comunidade polonesa durante seu casamento. Primeiro plano: os noivos ao centro da imagem, onde a noiva usa vestido branco, véu e grinalda, meias claras com sapatos escuros (pode ser por causa do solo da propriedade), também segura um buquê, aparentemente formado por folhagens. O noivo veste terno escuro e gravata. Plano de detalhes: a noiva não está sorrindo e o noivo sorri sutilmente, com os lábios cerrados. Plano de fundo: o ambiente da cena é externo, pelo costume do local, o solo e a claridade que reflete no pano ou cortina escura como parte do cenário. A existência de comunidade da etnia polonesa era expressiva nas redondezas da propriedade de Luiz Germano Gieseler. Frequentemente, Luiz Germano Gieseler realizava fotografias ao redor de sua propriedade, mas ainda não há informações que comprovem se o fotógrafo era pago para fotografar os eventos ou atividades locais. Há uma suposição de Alice Gerda de que o avô poderia ter realizado trabalhos fotográficos na comunidade e por isso, também recebido alguma quantia como pagamento, mas sem indícios, como registros ou outros membros, que confirmem o fato.
FORMA DA EXPRESSÃO: fotografia posada; enquadramento I: vertical; enquadramento II: centro; enquadramento III: 3 planos; enquadramento IV: objeto central: casal de noivos; nitidez I (foco): objeto central e demais planos no foco; nitidez II (impressão visual) o contraste é suficiente (linhas definidas) no objeto central e plano de fundo; nitidez III (iluminação) claro, sem sombras.

Luiz Germano Gieseler

Retrato fotográfico do casamento de Estanislau Kaczmarek e Wadislava Angieski do distrito Santana. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-320-321-D1-LGG NOV 271
  • Unidad documental simple
  • 12/05/1920
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

FORMA DO CONTEÚDO:
Local: antigo Povoado Santana-distrito rural Santana, Ijuí, RS, Brasil. Casal Estanislau Kaczmarek e Wadislava Angieski da comunidade polonesa durante seu casamento. Primeiro plano: os noivos ao centro da imagem, onde a noiva usa vestido branco, véu e grinalda, meias claras com sapatos escuros (pode ser por causa do solo da propriedade), também segura um buquê, aparentemente formado por folhagens. O noivo veste terno escuro e gravata. Plano de detalhes: a noiva não está sorrindo e o noivo sorri sutilmente, com os lábios cerrados. Plano de fundo: o ambiente da cena é externo, pelo costume do local, o solo e a claridade que reflete no pano ou cortina escura como parte do cenário. A existência de comunidade da etnia polonesa era expressiva nas redondezas da propriedade de Luiz Germano Gieseler. Frequentemente, Luiz Germano Gieseler realizava fotografias ao redor de sua propriedade, mas ainda não há informações que comprovem se o fotógrafo era pago para fotografar os eventos ou atividades locais. Há uma suposição de Alice Gerda de que o avô poderia ter realizado trabalhos fotográficos na comunidade e por isso, também recebido alguma quantia como pagamento, mas sem indícios, como registros ou outros membros, que confirmem o fato.
FORMA DA EXPRESSÃO: fotografia posada; enquadramento I: vertical; enquadramento II: centro; enquadramento III: 3 planos; enquadramento IV: objeto central: casal de noivos; nitidez I (foco): objeto central e demais planos no foco; nitidez II (impressão visual) o contraste é suficiente (linhas definidas) no objeto central e plano de fundo; nitidez III (iluminação) claro, sem sombras.

Luiz Germano Gieseler

Paisagem fotográfica de fatos da atualidade: cheia do Rio Potiribu e construção da segunda ponte.Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-320-322-D6-LGG NOV 282
  • Unidad documental simple
  • [?-1912]
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

A imagem mostra a cheia do rio Potiribu durante obras da construção da segunda ponte (esquerda da imagem), ainda com a presença da primeira toda em madeira (direita da imagem). Próximo à propriedade da família Luiz Germano Gieseler, há a estrada que dá acesso à mesma, atualmente a rodovia RS-155, que passa sobre o rio Potiribu, antes denominado rio Conceição, também conhecido como rio “Da ponte”. Neste trecho da estrada existiram ao longo do tempo três pontes. A primeira ponte, toda em madeira, existiu antes de 1912, mas não foi localizada a data exata de sua construção, mas a partir desta que o rio passou a ser chamado de rio da Ponte. A segunda ponte, com estrutura composta de alvenaria e madeira, foi inaugurada em 1912. No Relatório dos Negócios de Obras Públicas da Comissão de Terras e Colonização do Ijuhy, ano de 1911, páginas 140 e 141, item Viação, arquivado junto ao Museu Antropológico Diretor Pestana consta: "Há em toda região 23 pontes e está em construção uma ponte sobre o Rio da Ponte, na Linha 1 Leste e está estudada a ponte sobre o Rio Conceição, mas infelizmente não tive ainda ordem para iniciar sua construção". Por fim, a terceira ponte, inteiramente de concreto, existente atualmente (2018) foi inaugurada na década de 1970.
FORMA DO CONTEÚDO:
Local: Linha 1, Leste-Ijuí, RS, Brasil. Primeiro Plano: tem como objeto central, obras da segunda ponte sobre o Rio Potiribu e ainda, a primeira ao lado, toda em madeira, todavia, tem destaque o elevado nível da água do rio. Plano de detalhes: nível da água que cobre a margem do rio e algumas habitações que aparecem no lado direito da imagem, as curvas da estrada. Plano de fundo: vegetação nativa.

Luiz Germano Gieseler

  • BR RSMADP LGG
  • Fundo
  • 1899-1954

CUSTÓDIA DO MUSEU ANTROPOLÓGICO DIRETOR PESTANA (MADP)
Documento Textuais: 1 (papel); Documentos Fotográficos: 378 (negativos de vidro; negativos flexíveis); 105 (caixas de papel originais das placas de vidro); Objetos, acervo tridimencional (instrumentos/utensílios de processo fotográfico): 7. Todos os negativos são de autoria de Luiz Germano Gieseler, produzidos pela função de fotógrafo, com registro de imagens de diferentes temas, tanto de âmbito privado (pessoal e familiar) como público e social (relação com a comunidade externa, acontecimentos públicos municipais) e gêneros ou especialidades fotográficas (retrato, paisagens naturais e arquitetônicas, fotografia de patrimônio, fotografia de notícia, fotografia de criação, fotografia de viagem). O documento textual e objetos tridimensionais eram de uso na atividade de revelação fotográfica do autor, onde realizava o processamento na câmara escura (laboratório fotográfico). Os temas em geral tratam de assuntos ligados às atividades cotidianas da família na propriedade, como a prática agrícola de cultivar lavouras de subsistência e a moagem como meio econômico. Os retratos de momentos de comemoração (happy memories) são comuns, como os casamentos, encontros familiares, o lazer com as crianças e os piqueniques. Temas de âmbito público, que contextualizam os acontecimentos de época do município: enchentes, obras públicas, eventos esportivos e religiosos.

CUSTÓDIA DA FAMÍLIA GIESELER
Documentos Textuais: 9; Documentos Fotográficos de autoria própria confirmada: 302 (fotografias em papel; negativos de vidro); Documentos fotográficos (papel e postal) sem autoria comprovada: 32; Documento iconográfico/ilustração: 1 (papel); Objetos (instrumentos/utensílios de processo fotográfico): 4. O volume de documentos textuais de produção de Luiz Germano Gieseler não é expressivo, porém registra sua trajetória e de seus pais, desde que saíram da Alemanha em 1881 até se estabelecerem no Rio Grande do Sul. Há lacunas, como por exemplo, faltam textos originais que registrem detalhes da vida em Santa Cruz do Sul, RS, contendo mais documentos da aquisição e venda/transmissão de propriedades em Ijuí, RS e documentos pessoais ligados às obrigações cívicas. O acervo fotográfico, com maior expressividade, sua grande maioria são as revelações ampliadas e por contato dos negativos de vidro, logo, com os mesmos temas e gêneros. As fotografias que não possuem autoria confirmada de Luiz Germano Gieseler, supõe-se que foram adquiridas por recebimento de amigos e parentes como recordações, como cartas de visita e postais. Assim como o acervo tridimensional presente no MADP, os objetos custodiados por Edgar também foram usados por seu avô para o processo de revelação fotográfico.
Avaliação e seleção no ato da doação para a instituição de custódia. Não há registros detalhados da análise de aquisição do acervo pelo MADP.
Reproduções de documentos fotográfico em papel sob a custódia de Edgar Beno Giseler, que formam mesmo contexto de produção dos negativos de vidro e ou sequências fotográficas.

Luiz Germano Gieseler

Retrato fotográfico do casamento de Henrique Arthur Max Gieseler e Justina Ida Lausch. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-310-313-D4-LGG NOV FO 23
  • Unidad documental simple
  • 08/07/1925
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

FORMA DO CONTEÚDO:
Local: Linha 1, Leste-Ijuí, RS, Brasil. Casal de noivos Henrique Arthur Max Gieseler e Justina Ida Lausch, que que posam para fotografia em frente à porta da residência da propriedade da família Gieseler. Primeiro Plano: os noivos estão no centro da imagem, posicionados no último degrau da escada em frente à posta residencial e ambos estão em posição de frente para o outro, em leve sentido diagonal, onde ela olha em direção à câmera e ele olha para a lateral. O vestido da noiva é na cor branca, no estilo que segue nos anos 1920, mais soltos e curtos, cortes mais retos com sapatos e parte das pernas a mostra, possui véu e ela segura um grande buquê de flores numa das mãos. Plano de detalhes: eles não estão sorrindo e preservam os braços relaxados, que não estão entrelaçados. Plano de fundo: o ambiente da cena é externo, o entorno da escada e porta está decorado com folhagens tropicais (palmeira leque) e um vaso no degrau. Henrique Arthur (14/09/1896-20/07/1978), também chamado apenas por Max era o filho mais velho dentre os rapazes, sendo Anna Emilia nascida primeiramente, ainda em Santa Cruz como ele.
FORMA DA EXPRESSÃO: fotografia posada; enquadramento I: vertical; enquadramento II: centro; enquadramento III: 3 planos; enquadramento IV: objeto central: casal de noivos; nitidez I (foco): objeto central e demais planos no foco; nitidez II (impressão visual) o contraste é suficiente (linhas definidas) no objeto central e demais planos; nitidez III (iluminação) clara sem sombras.

Luiz Germano Gieseler

Paisagem fotográfica: vista parcial do moinho dos Gieseler. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-310-312-D3-LGG NOV 338
  • Unidad documental simple
  • [+-1907-1912]
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

Local: Propriedade da Família Gieseler. Linha1, Leste, Ijuí, RS, Brasil. A imagem mostra o prédio do moinho colonial de Luiz Germano Gieseler, juntos à cascata do Rio Potiribu, Usina Velha. Na janela aparecem Maria Emilie com um dos filhos, na outra janela ao lado, outro filho e no andar de baixo, na escada da porta de entrada, mais um dos filhos em pé. Também, em torno do moinho estão alguns animais como porcos soltos no pátio.

Retrato fotográfico do casamento de Gustavo Mohr e Ida Emilia Elisabeth Weber, confraternização. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-310-313-D3-LGG NOV FO 120
  • Unidad documental simple
  • 30/06/1917
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

FORMA DO CONTEÚDO:
Local: distrito rural Alto da União-Ijuí, RS, Brasil. Casal de noivos Gustavo Mohr e Ida Emilia Elisabeth Weber e família posam para fotografia durante a confraternização de casamento. Primeiro plano: Os noivos aparecem no centro da imagem, sentado na ponta da mesa e os demais membros da família estão posicionados ao redor do casal, sendo adultos e crianças misturados, sem ordem aparente de pais e filhos. A noiva usa vestido todo escuro (provavelmente na cor preta), sobre usa cabeça, uma tiara, coroa ou arranjo composto de flores com folhas delicadas. O noivo usa terno escuro (provavelmente na cor preta). Plano de detalhes: Pelos gestos ou movimentos irreverentes dos retratados masculinos, o momento é alegre e descontraído. Um sujeito, usando máscara levanta a garrafa cheia de uma bebida escura, que pode estar sendo usada para o brinde dos noivos, pois há apenas três copos cheios sobre a mesa. A mãe da noiva, Henriqueta Helena (irmã de Luiz Germano Gieseler), na época, viúva de Henrique Weber, está sentada sobre a mesa no lado direito e segura um dos copos; Fritz Willy (irmão de Luiz Germano) de bigode, lenço no pescoço e boné de lado; Clara Helena Hedwig (irmã de Luiz Germano), casada com Frederico Germano Genz, próxima à noiva, no lado esquerdo. Plano de fundo: O ambiente da cena parece o interior de uma residência ou estabelecimento de madeira: ao fundo, um pano ou cortina escura para o registro fotográfico dos noivos e ao lado mostra a parede de madeira na cor clara com dois quadros pendurados. Ida Weber (23/07/1896-13/04/1963), sobrinha de Luiz Germano Gieseler. Gustavo Mohr (17/05/1894-20/10/1940). Ambos, quando faleceram foram sepultados no cemitério do distrito rural Alto da União-Ijuí, RS, Brasil.
FORMA DA EXPRESSÃO: fotografia posada; enquadramento I: horizontal; enquadramento II: centro; enquadramento III: 3 planos; enquadramento IV: objeto central: casal de noivos; nitidez I (foco): objeto central e demais planos no foco, exceto a menina no canto esquerdo e crianças no fundo; nitidez II (impressão visual) o contraste é suficiente (linhas definidas) no objeto central e no lado direito, já os demais planos estão com pouca definição ou esmaecidos; nitidez III (iluminação) clara sem sombras.
Série Prática Fotográfica, Subsérie relações familiares, Subsubsérie Confraternizações e Cerimônias, Dossiê Recordações de casamento.
ANOTAÇÕES: Este casamento está registrado numa das caixas/embalagens originais dos negativos de vidro que foram entregues à instituição de custódia. A anotação pertence à caixa 29, que continha os negativos 297 e 301, de mesmo contexto desta imagem descrita. Esta imagem, pertencente ao negativo 120, estava separado dos demais, na caixa nº12. Explicação sobre a notação do código de localização, ver item “regras e convenções”.

Luiz Germano Gieseler

Fotografia de viagem: retrato fotográfico da família Hauth. Luiz Germano Gieseler (autor).

João Hauth e sua famíia eram vizinhos e amigos da família Gieseler e Niedesberg em Santa Cruz do Sul/RS. João foi padrinho de batismo em 06/08/1899 de Emílio Ernesto Gieseler (filho de Luiz Germano Gieseler).
Local: Residência da família Hauth, Santa Cruz do Sul, Rio Grande do Sul (RS), Brasil. Conforme legenda da embalagem traduzida do alemão: 6) 4 filhos de João Hauth". A fotografia foi tirada Santa Cruz do Sul/RS, local onde hoje é a Linha Travessa, em frente à casa onde residia Maria Emilie Niedesberg (esposa de Luiz Germano Gieseler) e sua família. No centro da imagem está o casal João Hauth e sua esposa.

Paisagem fotográfica: residência da família Gieseler, vista arquitetônica. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-310-312-D4-LGG NOV 219
  • Unidad documental simple
  • [+-1912-1913]
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

FORMA DO CONTEÚDO:
Local: Linha 1, Leste-Ijuí, RS, Brasil. Primeiro Plano: uma perspectiva da edificação, mas com destaque maior para os fundos da residência, posição ao norte, cuja porta dá acesso à cozinha, que mostra a chaminé que fica sobre a varanda, de frente para o Rio Potiribu. Plano de detalhes: no pátio estão as sobras dos materiais utilizados na construção da edificação e um cão que passeia no entorno, há uma figura masculina de chapéu, na entrada da cozinha e duas crianças na janela do sótão ou último andar da casa, todos podem ser os filhos de Luiz Germano Gieseler. Na lateral, com vistas para o oeste, está a fachada principal da residência, com porta de acesso principal, cercada com um gradil e pilares de tijolos à vista seguindo o mesmo acabamento da construção. Plano de fundo: palmeiras plantadas no lado oposto à entrada da cozinha, ao sentido sul. A casa, com três níveis: o porão no nível inferior; no nível intermediário, ficam as portas de acesso, janelas dos cômodos e a varanda; no nível superior, o sótão com janela. A cobertura da edificação possui telhas de madeira falquejada e a chaminé coberta com folhas de zinco. A construção da casa foi concluída em 1912.

Fotografia instantânea de Paulo Otto Germano Gieseler alimentando os animais. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-310-311-D2-LGG NOV 318
  • Unidad documental simple
  • [+-1915]
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

Local: Propriedade da Família Gieseler. Linha1, Leste, Ijuí, RS, Brasil. O menino Paulo Otto Germano Gieseler alimentando os filhotes de patos e brincando com os cachorros. O espaço fica próximo à residência da família e ao fundo, um galpão chamado "ferraria" onde preparavam peças metálicas (ferro) usadas no moinho.

Fotografia fatos da atualidade: vista parcial do evento da Escola Alemã. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-320-322-D3-LGG NOV 343
  • Unidad documental simple
  • [+-1914-1915]
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

A imagem, sem data registrada mostra o primeiro prédio próprio do Colégio Evangélico Augusto Pestana (CEAP), parece estar ocorrendo uma festa no local. O CEAP foi inaugurado em 18 de outubro de 1914, cujos terrenos foram doados pelo intendente provisório de Ijuí, ainda em 1912, engenheiro Augusto Pestana. A escola contava com duas salas de aula e uma sala para a secretaria, as paredes eram de madeira e as divisórias eram de alvenaria. Sua origem se deu com a fundação de Escola Alemã em 1899, porém em outro local, também conhecida como "Escolinha da Roça”. Nos dois primeiros anos funcionou na baixada da atual Avenida Coronel Dico em um casebre/galpão emprestado por Luiz Keller. A pequena escola fechou por dois anos e em 1903 reabriu como "Escola Paroquial" junto da Casa Paroquial da Comunidade Evangélica de Ijuí até 1914, local em que hoje está o Centro Evangélico de Confissão Luterana no Brasil (IECLB). O local da sede do CEAP que mostra a imagem, desde 1914 permanece em funcionamento, mas com edificação mais recente de alvenaria e funciona até hoje (2018). Fonte: Adaptado da pesquisa e relato de Edgar Beno Gieseler, pasta 1.

Paisagem fotográfica de fatos da atualidade da enchente 1928 e cheia do rio Potiribu próximo à Usina Hidrelétrica. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-320-322-D4-LGG NOV 365
  • Unidad documental simple
  • 08/09/1928
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

Local: Linha 1, Leste-Ijuí, RS, Brasil. "A grande enchente ocorrida em Ijuí/RS, a foto de 08/09/1928 retrata o Rio Potiribu junto a primeira Usina do Município, inaugurada em 1923, hoje 27/12/2014, chamada de "Usina Velha", aparecendo o prédio que na época abrigava a primeira turbina geradora de energia elétrica, a água tomou conta de todo entorno do prédio, ficando ilhado [...] contava sobre a foto de que esta foi a maior enchente havida até aquela data". Fonte: pesquisa feita por Edgar Beno Gieseler, conforme pasta 1.

Paisagem fotográfica de fatos da atualidade: enchente de 1928 e a cheia do rio próximo a Usina hidrelétrica de Ijuí (Usina velha). Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-320-322-D4-LGG NOV 366
  • Unidad documental simple
  • 08/09/1928
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

Local: Linha 1, Leste-Ijuí, RS, Brasil. "A grande enchente ocorrida em Ijuí/RS, a foto de 08/09/1928 retrata o Rio Potiribu junto a primeira Usina do Município, inaugurada em 1923, hoje 27/12/2014, chamada de "Usina Velha", aparecendo o prédio que na época abrigava a primeira turbina geradora de energia elétrica, a água tomou conta de todo entorno do prédio, ficando ilhado [...] contava sobre a foto de que esta foi a maior enchente havida até aquela data". Fonte: pesquisa feita por Edgar Beno Gieseler, conforme pasta 1

Casa residencial de Luiz Germano Gieseler, vista da lateral sul,

Paisagem fotográfica de fatos da atualidade: enchente de 1928 e a cheia do rio próximo a Usina hidrelétrica de Ijuí (Usina velha). Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-320-322-D4-LGG NOV 17
  • Unidad documental simple
  • 08/09/1928
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

Local: Linha 1, Leste-Ijuí, RS, Brasil. "A grande enchente ocorrida em Ijuí/RS, a foto de 08/09/1928 retrata o Rio Potiribu junto a primeira Usina do Município, inaugurada em 1923, hoje 27/12/2014, chamada de "Usina Velha", aparecendo o prédio que na época abrigava a primeira turbina geradora de energia elétrica, a água tomou conta de todo entorno do prédio, ficando ilhado [...] contava sobre a foto de que esta foi a maior enchente havida até aquela data". Fonte: pesquisa feita por Edgar Beno Gieseler, conforme pasta 1.

Paisagem fotográfica de fatos da atualidade: seca do Rio Potiribu e a segunda ponte. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-320-322-D6-LGG NOV 30
  • Unidad documental simple
  • [?-1912]
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

Próximo à propriedade da família Luiz Germano Gieseler, há a estrada que dá acesso à mesma, atualmente a rodovia RS-155, que passa sobre o rio Potiribu, antes denominado rio Conceição, também conhecido como rio “Da ponte”. Neste trecho da estrada existiram ao longo do tempo três pontes. A primeira ponte, toda em madeira, existiu antes de 1912, mas não foi localizada a data exata de sua construção, mas a partir desta que o rio passou a ser chamado de rio da Ponte. A segunda ponte, com estrutura composta de alvenaria e madeira, foi inaugurada em 1912. No Relatório dos Negócios de Obras Públicas da Comissão de Terras e Colonização do Ijuhy, ano de 1911, páginas 140 e 141, item Viação, arquivado junto ao Museu Antropológico Diretor Pestana consta: "Há em toda região 23 pontes e está em construção uma ponte sobre o Rio da Ponte, na Linha 1 Leste e está estudada a ponte sobre o Rio Conceição, mas infelizmente não tive ainda ordem para iniciar sua construção". Por fim, a terceira ponte, inteiramente de concreto, existente atualmente (2018) foi inaugurada na década de 1970.
FORMA DO CONTEÚDO:
Local: Linha 1, Leste-Ijuí, RS, Brasil. Primeiro Plano: tem como objeto central, a ponte sobre o Rio Potiribu, todavia, tem destaque a seca rio. Plano de detalhes: as pedras vegetação no entorno da ponte. Plano de fundo: estrada que passa sobre a ponte e vegetação nativa.

Pessoal

Refere-se aos documentos de uso particular, privado, como também de âmbito do círculo/núcleo familiar (cônjuge e filhos).

Retrato fotográfico de infância dos filhos de Luiz Germano e Maria Emilia Giseler. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-310-311-D1-LGG NOV 315
  • Unidad documental simple
  • [+-1912-1913]
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

Local: Propriedade da Família Gieseler. Linha1, Leste, Ijuí, RS, Brasil. A imagem mostra os filhos do casal Luiz Germano Gieseler (Ludwig Hermann Gieseler) e Emílie em frente à porta casa de tijolos à vista em Ijuí-RS, com data aproximada entre 1912 e 1914, "as roupas usadas eram sempre feitas em casa pela própria família". Da esquerda para a direita na fila de trás estão: Emílie Anna; Emílio Ernesto (Emil Ernst); Henrique Arthur Max (Heinrich Arthur Max, o tio Max); na fila da frente: Adolfo Ricardo Guilherme (Adolf Richard Wilhelm); Paulo Otto Germano. Fonte: adaptado do relato escrito de Edgar Gieseler, pasta 2.

Fotografia instantânea de crianças e adolescentes em momento de lazer e diversão no rio Potiribu. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-310-313-D6-LGG FO 386
  • Unidad documental simple
  • [+-1920]
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

Local: Rio Potiribu, Linha 1, e seus amigos no rio Potiribu, Leste, Ijuí, RS, Brasil. A imagem mostra os filhos de Luiz Germano Gieseler com outras crianças e adolescentes (podem ser parentes) em momento de diversão e lazer no Rio Potiribu, com canoas. A cena mostra os momentos em que as canoas viram e todos pulam ou caem na água.

Retrato fotográfico do casamento de Gustavo Mohr e Ida Emilia Elisabeth Weber; Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-310-313-D3-LGG NOV 301
  • Unidad documental simple
  • 30/06/1917
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

FORMA DO CONTEÚDO:
Local: distrito rural Alto da União-Ijuí, RS, Brasil. Casal de noivos Gustavo Mohr e Ida Emilia Elisabeth Weber posam para fotografia durante a confraternização de casamento. Primeiro plano: o casal está no centro da imagem. A noiva usa vestido todo escuro (provavelmente na cor preta) e longo, que cobre parte dos sapatos, sobre sua cabeça, uma tiara, coroa ou arranjo composto de flores com folhas delicadas. O noivo usa terno escuro (provavelmente na cor preta). Ao fundo, o que parece um pano ou cortina escura para o registro fotográfico dos noivos. Plano de detalhes: Ida e Gustavo estão com semblantes sérios, ela está com seu braço entrelaçado ao dele. Plano de fundo: o ambiente da cena é o interior de uma edificação de madeira, ao fundo, um pano ou cortina escura para o registro fotográfico. Ida Weber (23/07/1896-13/04/1963), sobrinha de Luiz Germano Gieseler, filha de Henriqueta Helena (irmã de Luiz Germano Gieseler) e Henrique Weber. Gustavo Mohr (17/05/1894-20/10/1940). Ambos, quando faleceram foram sepultados no cemitério do distrito rural Alto da União-Ijuí, RS, Brasil.
FORMA DA EXPRESSÃO: fotografia posada; enquadramento I: vertical; enquadramento II: centro; enquadramento III: 3 planos; enquadramento IV: objeto central: casal de noivos; nitidez I (foco): objeto central; nitidez II (impressão visual) o contraste é suficiente (linhas definidas) no objeto central e no entorno; nitidez III (iluminação) clara sem sombras, mas pelo cenário escuro, a imagem tem pouca claridade.
ANOTAÇÕES: Este casamento está registrado numa das caixas/embalagens originais dos negativos de vidro que foram entregues à instituição de custódia. A anotação pertence à caixa 29, que continha os negativos 297 e 301, de mesmo contexto desta imagem descrita. Esta imagem, pertencente ao negativo 120, estava separado dos demais, na caixa nº12. Explicação sobre a notação do código de localização, ver item “regras e convenções”.

Luiz Germano Gieseler

Retrato fotográfico do casamento de Estanislau Kaczmarek e Wadislava Angieski do distrito Santana. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-320-321-D1-LGG FO 389
  • Unidad documental simple
  • 12/05/1920
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

FORMA DO CONTEÚDO:
Local: antigo Povoado Santana-distrito rural Santana, Ijuí, RS, Brasil. Casal Estanislau Kaczmarek e Wadislava Angieski da comunidade polonesa durante seu casamento. Primeiro plano: os noivos não estão no centro da imagem, um pouco ao lado direito, mas em evidência na fila da frente do grupo, a centralização está no agrupamento de retratados, supondo-se estar constituído pelos familiares e amigos próximos do casal. Ao lado dos noivos, o gaiteiro (tocando acordeom) é Inácio Nowaczyk. A noiva está sentada e usa vestido branco, véu e grinalda, meias claras com sapatos escuros (pode ser por causa do solo da propriedade), também segura um buquê, aparentemente formado por folhagens. O noivo sentado, veste terno escuro e gravata. Plano de detalhes: a noiva não está sorrindo, mas o noivo sorri. Plano de fundo: o ambiente da cena é externo, pelo costume do local, o solo e a claridade, ao fundo uma construção de madeira, que pode ser uma casa ou residência da família de um dos noivos. A existência de comunidade da etnia polonesa era expressiva nas redondezas da propriedade de Luiz Germano Gieseler. Frequentemente, Luiz Germano Gieseler realizava fotografias ao redor de sua propriedade, mas ainda não há informações que comprovem se o fotógrafo era pago para fotografar os eventos ou atividades locais. Há uma suposição de Alice Gerda de que o avô poderia ter realizado trabalhos fotográficos na comunidade e por isso, também recebido alguma quantia como pagamento, mas sem indícios, como registros ou outros membros, que confirmem o fato.
FORMA DA EXPRESSÃO: fotografia posada; enquadramento I: horizontal; enquadramento II: centro; enquadramento III: 3 planos; enquadramento IV: objeto central: família e casal de noivos; nitidez I (foco): objeto central e demais planos no foco; nitidez II (impressão visual) o contraste é suficiente (linhas definidas) no objeto central e plano de fundo; nitidez III (iluminação) claro, com mais exposição no lado esquerdo superior.

Luiz Germano Gieseler

Retrato fotográfico de Adolfo Guilherme Gieseler e economia familiar rural. Luiz Germano Gieseler (autor).

Local: Propriedade da Família Gieseler. Linha1, Leste, Ijuí, RS, Brasil. Colheita manual do milho, uma criança sentada sobre a carroça com dois cavalos, junto aos alimentos colhidos. O menino parece o filho caçula de Luiz Germano Gieseler, Adolfo Guilherme, mas não há identificação confirmada.

Retrato fotográfico de família: mãe, pai e filhos da família Gieseler. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-310-311-D1-LGG NOV 103
  • Unidad documental simple
  • [1915-1916?]
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

Emílio Ernesto (Emil Ernst) nascido em Santa Cruz/RS (20/03/1899) e falecido em Santa Rosa/RS (12/11/1980); Emílie Anna, nascida em Santa Cruz/RS (17/06/1894) e falecida em Ijuí/RS (18/11/1949) e Henrique Arthur Max (Heinrich Arthur Max, o tio Max) nascido em Santa Cruz/RS (14/09/1896) e falecido em Tunas, Giruá/RS (20/07/1978); Adolfo Ricardo Guilherme (Adolf Richard Wilhelm) nascido em Ijuí/RS (11/01/1911) e falecido em Ijuí/RS (24/10/1997); Paulo Otto Germano (Paul Otto Hermann, pai de Edgar Beno Gieseler) nascido em Ijuí/RS (16/04/1906) e falecido em Ijuí/RS (28/01/1992).
FORMA DO CONTEÚDO:
Local: Bosque na propriedade da Família Gieseler. Linha1, Leste, Ijuí, RS, Brasil. A imagem mostra o casal Luiz Germano Gieseler (Ludwig Hermann Gieseler) e Maria Emilia com os filhos em fotografia externa, ao ar livre, que poderia ser as proximidades da residência e ou do Rio Potiribu. Da esquerda para a direita estão em pé, na fila de trás: Emílio Ernesto (Emil Ernst); Emílie Anna e Henrique Arthur Max (Heinrich Arthur Max, o tio Max). Da esquerda para a direita à frente estão: o pai Luiz germano Gieseler (Ludwig Hermann Gieseler); Adolfo Ricardo Guilherme (Adolf Richard Wilhelm); Paulo Otto Germano (Paul Otto Herman) e a mãe Maria Emílie.

Retrato fotográfico do casamento de Gustavo Mohr e Ida Emilia Elisabeth Weber. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-310-313-D3-LGG NOV 297
  • Unidad documental simple
  • 30/06/1917
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

FORMA DO CONTEÚDO:
Local: distrito rural Alto da União-Ijuí, RS, Brasil. Casal de noivos Gustavo Mohr e Ida Emilia Elisabeth Weber posam para fotografia durante a confraternização de casamento. Primeiro plano: o casal está no centro da imagem. A noiva usa vestido todo escuro (provavelmente na cor preta) e longo, que cobre parte dos sapatos, sobre sua cabeça, uma tiara, coroa ou arranjo composto de flores com folhas delicadas. O noivo usa terno escuro (provavelmente na cor preta). Ao fundo, o que parece um pano ou cortina escura para o registro fotográfico dos noivos. Plano de detalhes: Ida e Gustavo sorriem sutilmente, ela está com seu braço entrelaçado ao dele. Plano de fundo: o ambiente da cena é o interior de uma edificação de madeira, ao fundo, há um pano ou cortina escura para o registro fotográfico. Ida Weber (23/07/1896-13/04/1963), sobrinha de Luiz Germano Gieseler, filha de Henriqueta Helena (irmã de Luiz Germano Gieseler) e Henrique Weber. Gustavo Mohr (17/05/1894-20/10/1940). Ambos, quando faleceram foram sepultados no cemitério do distrito rural Alto da União-Ijuí, RS, Brasil.
FORMA DA EXPRESSÃO: fotografia posada; enquadramento I: vertical; enquadramento II: centro; enquadramento III: 3 planos; enquadramento IV: objeto central: casal de noivos; nitidez I (foco): objeto central; nitidez II (impressão visual) o contraste é suficiente (linhas definidas) no objeto central e no entorno; nitidez III (iluminação) clara sem sombras, mas pelo cenário escuro, a imagem tem pouca claridade.
ANOTAÇÕES: este casamento está registrado numa das caixas/embalagens originais dos negativos de vidro que foram entregues à instituição de custódia. A anotação pertence à caixa 29, que continha os negativos 297 e 301, de mesmo contexto desta imagem descrita. Esta imagem, pertencente ao negativo 120, estava separado dos demais, na caixa nº12. Explicação sobre a notação do código de localização, ver item “regras e convenções”.

Luiz Germano Gieseler

Retrato fotográfico de casamento no distrito Santana em Ijuí-RS. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-320-321-D2-LGG NOV 213
  • Unidad documental simple
  • [+-1918-1920]
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

FORMA DO CONTEÚDO:
Local: Distrito Santana (Povoado Santana), Linha 1, Leste-Ijuí, RS, Brasil. Casal de noivos da comunidade de imigrantes poloneses em confraternização de casamento. Primeiro plano: os noivos ao centro da imagem, onde a noiva usa vestido branco, véu e grinalda, com sapatos escuros (pode ser por causa do solo da propriedade), o noivo veste terno escuro e gravata. Plano de detalhes: a noiva não está sorrindo e o noivo sorri sutilmente, com os lábios cerrados. Plano de fundo: o ambiente da cena é externo, ao fundo, um pano ou cortina escura como parte do cenário, onde surge um menino que espia/acompanha o ato fotográfico. A existência de comunidade da etnia polonesa era expressiva nas redondezas da propriedade de Luiz Germano Gieseler. Frequentemente, Luiz Germano Gieseler realizava fotografias ao redor de sua propriedade, mas ainda não há informações que comprovem se ele era pago para fotografar os eventos ou atividades locais. Há uma suposição de Alice Gerda Hieck (neta) de que o avô poderia ter prestado serviços fotográficos na comunidade e por isso, também recebido alguma quantia como pagamento, mas sem indícios, como registros ou outros membros, que confirmem o fato.
FORMA DA EXPRESSÃO: fotografia posada; enquadramento I: vertical; enquadramento II: centro; enquadramento III: 3 planos; enquadramento IV: objeto central: casal de noivos; nitidez I (foco): objeto central e demais planos no foco; nitidez II (impressão visual) o contraste é suficiente (linhas definidas) no objeto central, um pouco esmaecido no plano de fundo; nitidez III (iluminação) escuro na parte inferior da imagem, com sombras.

Luiz Germano Gieseler

Retrato fotográfico de casamento no distrito Santana em Ijuí-RS. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-320-321-D2-LGG NOV 257
  • Unidad documental simple
  • [+-1918-1920]
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

FORMA DO CONTEÚDO:
Local: Distrito Santana (Povoado Santana), Linha 1, Leste-Ijuí, RS, Brasil. Casal de noivos da comunidade de imigrantes poloneses em confraternização de casamento. Primeiro plano: os noivos ao centro da imagem, dividindo o destaque com o casal na fila da frente (possíveis integrantes da família respeitados, também mais idosos). A noiva usa vestido branco, véu e grinalda, o noivo veste terno escuro e gravata. Vários retratados, que podem ser familiares e ou amigos convidados dividem espaço na fotografia. Plano de detalhes: todos estão com os lábios cerrados, alguns aparentam leve sorriso. Plano de fundo: o ambiente da cena é externo, ao fundo, um pano ou cortina escura como parte do cenário. A existência de comunidade da etnia polonesa era expressiva nas redondezas da propriedade de Luiz Germano Gieseler. Frequentemente, Luiz Germano Gieseler realizava fotografias ao redor de sua propriedade, mas ainda não há informações que comprovem se ele era pago para fotografar os eventos ou atividades locais. Há uma suposição de Alice Gerda Hieck (neta) de que o avô poderia ter prestado serviços fotográficos na comunidade e por isso, também recebido alguma quantia como pagamento, mas sem indícios, como registros ou outros membros, que confirmem o fato.
FORMA DA EXPRESSÃO: fotografia posada; enquadramento I: vertical; enquadramento II: centro; enquadramento III: 3 planos; enquadramento IV: objeto central: casal de noivos; nitidez I (foco): objeto central e demais planos no foco; nitidez II (impressão visual) com pouco contraste (linhas razoavelmente definidas) no objeto central, um pouco esmaecido no plano de fundo (retratados do fundo e laterais); nitidez III (iluminação) claro, com pouca sombra na parte inferior da imagem.

Luiz Germano Gieseler

Paisagem fotográfica: vista arquitetônica da praça da República de Ijuí. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-320-322-D1-LGG NOV 339
  • Unidad documental simple
  • [+-1913-1915]
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

O centro de Ijuí tem como espaços destacados, a primeira praça, a atual Praça da República, bem como as igrejas luterana e católica, que ficam neste local: de um lado a Igreja Matriz Nossa Senhora da Natividade (Católica Apostólica Romana), do outro, a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), conhecida localmente como “Igreja do Relógio”.
FORMA DO CONTEÚDO:
Local: Praça da República, Ijuí, RS, Brasil. Primeiro Plano: tem como objeto central, a praça, com a arborização terminada em 1913. Plano de detalhes: cercas de proteção em volta da praça, para bloquear a entrada de animais, principalmente o cavalo, que era muito utilizado na época como meio de transporte e estes eram amarrados nas cercas, enquanto seus proprietários estavam em seus compromissos no centro. Plano de fundo: aparece a Igreja Matriz Nossa Senhora da Natividade, com prédio da época e torre do sino em estrutura de madeira, bem como edificações ao lado.

Fotografia fatos da atualidade: vista parcial do evento da Escola Alemã. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-320-322-D3-LGG NOV 342
  • Unidad documental simple
  • [+-1914-1915]
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

A imagem, sem data registrada mostra o primeiro prédio próprio do Colégio Evangélico Augusto Pestana (CEAP), parece estar ocorrendo uma festa no local. O CEAP foi inaugurado em 18 de outubro de 1914, cujos terrenos foram doados pelo intendente provisório de Ijuí, ainda em 1912, engenheiro Augusto Pestana. A escola contava com duas salas de aula e uma sala para a secretaria, as paredes eram de madeira e as divisórias eram de alvenaria. Sua origem se deu com a fundação de Escola Alemã em 1899, porém em outro local, também conhecida como "Escolinha da Roça”. Nos dois primeiros anos funcionou na baixada da atual Avenida Coronel Dico em um casebre/galpão emprestado por Luiz Keller. A pequena escola fechou por dois anos e em 1903 reabriu como "Escola Paroquial" junto da Casa Paroquial da Comunidade Evangélica de Ijuí até 1914, local em que hoje está o Centro Evangélico de Confissão Luterana no Brasil (IECLB). O local da sede do CEAP que mostra a imagem, desde 1914 permanece em funcionamento, mas com edificação mais recente de alvenaria e funciona até hoje (2018). Fonte: Adaptado da pesquisa e relato de Edgar Beno Gieseler, pasta 1.

Paisagem fotográfica de fatos da atualidade: vista arquitetônica das obras da Usina Hidrelétrica (Usina velha). Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-320-322-D5-LGG NOV 368
  • Unidad documental simple
  • [?-1923]
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

A imagem mostra as obras da Usina pela empresa Luchsinger e Cia, junto à cascata, cachoeira do Rio Potiribu num período que poderia ser a segunda década de XX. "Inicialmente foi instalada uma turbina hidráulica (movida à água) como mostra a foto. A queda dá água ao fundo, com 11,20 metros, de acordo com projeto da usina de 1920, do relatório de 1º/12/1919 a 30/11/1920, gera a força para mover a turbina, as tubulações da foto, em três partes, após montadas numa tubulação só, conduz a água a partir de um canal, bem acima à direita na foto, até a turbina. O prédio também em construção abriga até hoje o mecanismo gerador da energia elétrica. Foi inaugurada em 15 de novembro de 1923, recebida neste dia pelo então Intendente Municipal Coronel Antônio Soares de Barros, o Coronel Dico. Em junho de 1923, a título de experiência, começou a funcionar a iluminação pública de Ijuí, conforme Relatório da Intendência Municipal de Ijuí, 1º/12/1919 a 30/11/1920. Na época, sendo maior a geração de energia elétrica do que o consumo, o excedente era vendido para o município de Santo Ângelo, a partir de julho de 1924, cujo contrato tinha o prazo de 29 anos durante as 24 horas, do dia. A rede de alta tensão condutora da energia elétrica para o vizinho município de Santo Ângelo iniciava junto da Usina Velha, atravessando o rio Potiribu e na propriedade do meu avô Luiz Germano Gieseler tinha início a colocação dos postes de madeira para sustentação da mesma, seguindo até Santo Ângelo. Após o encerramento do contrato de fornecimento de energia a rede foi desativada e desmanchada, sendo que a sua contratação foi executada pelo engenheiro Luiz Carlos Prestes, o qual várias vezes almoçou e jantou na casa dos meus avós, posteriormente ele foi o líder da famosa "Coluna Prestes". A residência dos meus avós, na época, foi uma das primeiras moradias do município beneficiados com eletricidade. Posteriormente, na foto, no local onde estão depositadas as tubulações, foi construído o prédio para a instalação da segunda turbina, inaugurada em 1932. Não possuo a identificação das pessoas da foto. No lado esquerdo da foto, bem ao nível de cima da queda d´água nota-se o início da "bica" que conduzia a água para mover o moinho da nossa família, localizado no lado oposto da usina e do Rio Potiribu". Fonte: pesquisa feita por Edgar Beno Gieseler, conforme pasta 1.

Paisagem fotográfica de fatos da atualidade: vista arquitetônica das obras da Usina Hidrelétrica (Usina velha). Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-320-322-D5-LGG NOV 370
  • Unidad documental simple
  • [?-1923]
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

A imagem mostra as obras da Usina pela empresa Luchsinger e Cia, junto à cascata, cachoeira do Rio Potiribu num período que poderia ser a segunda década de XX. "Inicialmente foi instalada uma turbina hidráulica (movida à água) como mostra a foto. A queda dá água ao fundo, com 11,20 metros, de acordo com projeto da usina de 1920, do relatório de 1º/12/1919 a 30/11/1920, gera a força para mover a turbina, as tubulações da foto, em três partes, após montadas numa tubulação só, conduz a água a partir de um canal, bem acima à direita na foto, até a turbina. O prédio também em construção abriga até hoje o mecanismo gerador da energia elétrica. Foi inaugurada em 15 de novembro de 1923, recebida neste dia pelo então Intendente Municipal Coronel Antônio Soares de Barros, o Coronel Dico. Em junho de 1923, a título de experiência, começou a funcionar a iluminação pública de Ijuí, conforme Relatório da Intendência Municipal de Ijuí, 1º/12/1919 a 30/11/1920. Na época, sendo maior a geração de energia elétrica do que o consumo, o excedente era vendido para o município de Santo Ângelo, a partir de julho de 1924, cujo contrato tinha o prazo de 29 anos durante as 24 horas, do dia. A rede de alta tensão condutora da energia elétrica para o vizinho município de Santo Ângelo iniciava junto da Usina Velha, atravessando o rio Potiribu e na propriedade do meu avô Luiz Germano Gieseler tinha início a colocação dos postes de madeira para sustentação da mesma, seguindo até Santo Ângelo. Após o encerramento do contrato de fornecimento de energia a rede foi desativada e desmanchada, sendo que a sua contratação foi executada pelo engenheiro Luiz Carlos Prestes, o qual várias vezes almoçou e jantou na casa dos meus avós, posteriormente ele foi o líder da famosa "Coluna Prestes". A residência dos meus avós, na época, foi uma das primeiras moradias do município beneficiados com eletricidade. Posteriormente, na foto, no local onde estão depositadas as tubulações, foi construído o prédio para a instalação da segunda turbina, inaugurada em 1932. Não possuo a identificação das pessoas da foto. No lado esquerdo da foto, bem ao nível de cima da queda d´água nota-se o início da "bica" que conduzia a água para mover o moinho da nossa família, localizado no lado oposto da usina e do Rio Potiribu". Fonte: pesquisa feita por Edgar Beno Gieseler, conforme pasta 1.

Fotografia de fatos da atualidade evento esportivo em Ijuí. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-320-322-D7-LGG NOV 371
  • Unidad documental simple
  • [1910-1912]
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

Local: Ijuí, Rio Grande do Sul, Brasil. O período aproximado pode ser entre 1910 e 1912. Na cena do evento esportivo aparecem um colchão sobre o chão para amaciar a queda, espectadores, juiz, etc. Ao fundo poucas casas, prevalece a mata, o local da apresentação deve ser nas imediações do atual (2018) colégio Ruizinho e Primeira Igreja Batista. No plano de fundo da imagem, onde aparece a mata, deve ser o local onde atualmente está sediada a Sociedade Ginástica Ijuí - SOGI. Fonte: adaptado da pesquisa feita por Edgar Beno Gieseler, conforme pasta 1.

Fotografia fatos da atualidade: fotografia documental de evento esportivo em Ijuí-RS. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-320-322-D7-LGG NOV 372
  • Unidad documental simple
  • [+-1916-1918]
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

Local: Ijuí, Rio Grande do Sul, Brasil. Apresentação de um grupo de ginastas da época na Praça da República, lado sul, nota-se à esquerda os palanques da cerca que protegia a praça e a torre de madeira que abrigava o sino da primeira construção da Igreja Matriz Nossa Senhora da Natividade, com os primeiros coqueiros plantados. Fonte: pesquisa feita por Edgar Beno Gieseler, conforme pasta 1.

Controle de bens patrimoniais

Refere-se aos documentos de propriedades e outros bens, no âmbito do círculo/núcleo familiar (cônjuge e filhos), que inclui bens móveis e imóveis.

Retrato fotográfico do casamento de Henrique Arthur Max Gieseler e Justina Ida Lausch. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-310-313-D4-LGG NOV 21
  • Unidad documental simple
  • 08/07/1925
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

FORMA DO CONTEÚDO:
Local: Linha 1, Leste-Ijuí, RS, Brasil. Casal de noivos Henrique Arthur Max Gieseler e Justina Ida Lausch, que que posam para fotografia em frente à porta da residência da propriedade da família Gieseler. Primeiro Plano: os noivos estão no centro da imagem, posicionados no último degrau da escada em frente à posta residencial e ambos estão em posição de frente para o outro, em leve sentido diagonal, onde ela olha em direção à câmera e ele olha para a lateral. O vestido da noiva é na cor branca, no estilo que segue nos anos 1920, mais soltos e curtos, cortes mais retos com sapatos e parte das pernas a mostra, possui véu e ela segura um grande buquê de flores numa das mãos. Plano de detalhes: eles não estão sorrindo e preservam os braços relaxados, que não estão entrelaçados. Plano de fundo: o ambiente da cena é externo, o entorno da escada e porta está decorado com folhagens tropicais (palmeira leque) e um vaso no degrau. Henrique Arthur (14/09/1896-20/07/1978), também chamado apenas por Max era o filho mais velho dentre os rapazes, sendo Anna Emilia nascida primeiramente, ainda em Santa Cruz como ele.
FORMA DA EXPRESSÃO: fotografia posada; enquadramento I: vertical; enquadramento II: centro; enquadramento III: 3 planos; enquadramento IV: objeto central: casal de noivos; nitidez I (foco): objeto central e demais planos no foco; nitidez II (impressão visual) o contraste é suficiente (linhas definidas) no objeto central e demais planos; nitidez III (iluminação) clara sem sombras.

Luiz Germano Gieseler

Retrato do bebê Ida Guilherme Gieseler. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-310-313-D5-LGG NOV FO 75
  • Unidad documental simple
  • [+-1912]
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

Neta de Luiz Germano, Ida Erika Gieseler (07/01/1928, Ijuí-RS-13/06/2012, Tunas/Santa Rosa-RS), filha de Henrique Arthur Max e Justina Ida, nascida Lausch. Ida Erika foi casada com Gustavo Essenburg, alguns de seus filhos eram Helga e Conrado.
Local: Propriedade da Família Gieseler. Linha1, Leste, Ijuí, RS, Brasil. A imagem mostra Ida Erika Gieseler tomando banho numa banheira de metal, localizada na varanda da casa de seu pai, Luiz Germano. A residência ficou pronta em 1912.

Paisagem fotográfica: vista da propriedade da família Gieseler, paisagem arquitetônica e natural. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-310-312-D1-LGG NOV 356
  • Unidad documental simple
  • [+-1915-1916]
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

Local: Propriedade da Família Gieseler. Linha1, Leste, Ijuí, RS, Brasil. A imagem mostra o moinho, ao lado a residência da família Gieseler e os galpões. Ao lado oposto da propriedade está a cachoeira do Rio Potiribu e a Usina Hidrelétrica (hoje Usina Velha), com apenas a primeira turbina geradora de energia. A foto pode ser do período entre 1923 e 1932, cuja vista da imagem foi capturada da estrada que dá acesso à Usina. Fonte: adpatado da pesquisa e relato feitos por Edgar Beno Gieseler, pasta 1

Autorretrato fotográfico. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-310-312-D2-LGG NOV 317
  • Unidad documental simple
  • [+-1916-1918]
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

Autorretrato de Luiz Germano Gieseler utilizado em anúncio do moinho. Não há indícios, registros que mencionem ser um autorretrato, porém, na época já era possível realizar a própria imagem de forma autônoma controlando o tempo do obturador.

Paisagem fotográfica: Obras da residência da família Gieseler, vista arquitetônica. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-310-312-D4-LGG NOV 33
  • Unidad documental simple
  • [+-1912-1913]
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

A casa família Gieseler foi projetada por Luiz Germano Gieseler e por ele construída com ajuda de um grupo de homens, que não há registro quem eram exatamente. A conclusão da obra foi em 1912 e a edificação existe até hoje (2018) e possui três níveis: o porão no nível inferior; no nível intermediário, ficam as portas de acesso, janelas dos cômodos e a varanda; no nível superior, o sótão com janela. A cobertura da edificação possui telhas de madeira falquejada e a chaminé coberta com folhas de zinco.
FORMA DO CONTEÚDO:
Local: Linha 1, Leste-Ijuí, RS, Brasil. Primeiro Plano: uma perspectiva da edificação, mas com destaque maior para os fundos da residência, posição ao norte, cuja porta dá acesso à cozinha, que mostra a chaminé que fica sobre a varanda, de frente para o Rio Potiribu. Plano de detalhes: no pátio estão as sobras dos materiais utilizados na construção da edificação e um cão que passeia no entorno, há uma figura masculina de chapéu, na entrada da cozinha e duas crianças na janela do sótão ou último andar da casa, todos podem ser os filhos de Luiz Germano Gieseler. Na lateral, com vistas para o oeste, está a fachada principal da residência, com porta de acesso principal, cercada com um gradil e pilares de tijolos à vista seguindo o mesmo acabamento da construção. Plano de fundo: palmeiras plantadas no lado oposto à entrada da cozinha, ao sentido sul. A casa, com três níveis: o porão no nível inferior; no nível intermediário, ficam as portas de acesso, janelas dos cômodos e a varanda; no nível superior, o sótão com janela. A cobertura da edificação possui telhas de madeira falquejada e a chaminé coberta com folhas de zinco. A construção da casa foi concluída em 1912.

Paisagem fotográfica: vista arquitetônica e paisagem natural da Estação Ferroviária e da cidade Ijuí-RS. Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-320-322-D1-LGG NOV 350
  • Unidad documental simple
  • [+-1916-1918]
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

FORMA DO CONTEÚDO:
Local: Ijuí, RS, Brasil. Primeiro Plano: Estação Ferroviária de Ijuhy (escrita da época). Plano de detalhes: entorno da ferrovia, linha férrea. Plano de fundo: vista da área central da cidade de Ijuí e vegetação nativa.

Fotografia de fatos da atualidade: vista parcial arquitetônica Igreja do Relógio (IECLB). Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-320-322-D2-LGG NOV 344
  • Unidad documental simple
  • [+-1914-1915]
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

Local: Praça da república, ijuí, Rio Grande do Sul (RS), Brasil. A Igreja do Relógio, oficialmente Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), localizada na Praça da República, também foi conhecida por "Igreja da Cruz" pelo formato de construção em cruz, como das capelas em estilo gótico, cuja planta baixa mostra a forma de crucifixo. "A foto, sem data, provavelmente no dia de sua inauguração, o espaço frontal é a Praça da República, nota-se uma cerca que protegia a praça da entrada de cavalos a qual também servia para amarrá-los pelo lado da rua. A Comunidade Evangélica de Ijuí iniciou suas atividades oficialmente na então Colônia de Ijuhy no dia 19 de janeiro de 1895, em acordo com relatos encontrados nas buscas da pesquisa realizada. A igreja teve sua planta elaborada durante o ano de 1907 e inaugurada em 08 de maio de 1914, a pedra fundamental teve seu lançamento em 07 de janeiro de 1909. Os preparativos e o movimento para a construção do templo principal da igreja iniciaram na gestão do pastor Hermann Rosenfeld, de 1903 a 1912, porém este não presenciou a construção da obra pois voltou para sua pátria de origem Alemanha, de 1912 a 1913 foi substituído pelo pastor Hans Henn. Em março de 1913 Henn foi substituído pelo pastor Karl Gottschald, sendo a igreja inaugurada na gestão deste e Albino Brendler, cujo nome completo era Arthur Albino Brendlerfoi presidente da comissão de construção". Fonte: texto adaptado da pesquisa e relato feitos por Edgar Beno Gieseler, pasta 1

Paisagem fotográfica de fatos da atualidade: enchente de 1928 e a cheia do rio próximo a Usina hidrelétrica de Ijuí (Usina velha) Luiz Germano Gieseler (autor).

  • BR RSMADP LGG-300-320-322-D4-LGG NOV 19
  • Unidad documental simple
  • 08/09/1928
  • Parte deLuiz Germano Gieseler

Local: Linha 1, Leste-Ijuí, RS, Brasil. "A grande enchente ocorrida em Ijuí/RS, a foto de 08/09/1928 retrata o Rio Potiribu junto a primeira Usina do Município, inaugurada em 1923, hoje 27/12/2014, chamada de "Usina Velha", aparecendo o prédio que na época abrigava a primeira turbina geradora de energia elétrica, a água tomou conta de todo entorno do prédio, ficando ilhado [...] contava sobre a foto de que esta foi a maior enchente havida até aquela data". Fonte: pesquisa feita por Edgar Beno Gieseler, conforme pasta 1.

Economia familiar

Refere-se aos documentos atividades com retorno financeiro no âmbito do círculo/núcleo familiar (cônjuge e filhos), que a moagem e a alguns produtos da agropecuária.

Resultados 1 a 100 de 106