Ijuí - Rio Grande do Sul - Brasil

Taxonomy

Code

Scope note(s)

Source note(s)

Display note(s)

Hierarchical terms

Ijuí - Rio Grande do Sul - Brasil

Equivalent terms

Ijuí - Rio Grande do Sul - Brasil

Associated terms

Ijuí - Rio Grande do Sul - Brasil

61 Archival description results for Ijuí - Rio Grande do Sul - Brasil

61 results directly related Exclude narrower terms

Expo-Ijuí - Casa Portuguesa

  • AI 3.6 0636 05168
  • Item
  • s.d.

Parque Exposição Wanderley Burmann - Ijuí - RS. A imagem mostra integrantes da etnia portuguesa, tipicamente vestidos e, alguns com instrumentos musicais.

1ª Expo-Ijuí

  • AI 3.6 0649 05572
  • Item
  • 10/1981

Parque de Exposição Assis Brasil - Ijuí/RS. A imagem mostra momentos da primeira Expo-Ijuí, autoridades no stand da Ceriluz - Cooperativa de Eletrificação Rural de Ijuí LTDA. Da esquerda para direita: Otávio Germano (vice-governador) e Wilson Mânica. Parque de Exposição Assis Brasil, atual, P.E. Vanderlei Agostinho Burmann. Relacionada ao Álbum AI 05571 3.6 0648 (não tem no álbum, apenas imagens semelhantes ou sequenciais).

1ª Expo-Ijuí

  • AI 3.6 0650 05573
  • Item
  • 10/1981

Parque de Exposição Assis Brasil - Ijuí/RS, Parque de Exp. Assis Brasil, atual Parque de Exposições Vanderlei Agostinho Burmann. Imagem sequencial da foto f11 do Álbum AI 05570 3.6 0647. Da esquerda para direita: 2º- Viecelli, 3º- Ortiz Scherer, 4º- Adair Casarin, 5º, 6º- Bruno Haas,7º- Rainha Mara Inês Sausen.

1ª Expo-Ijuí

  • AI 3.6 0651 05574
  • Item
  • 10/1981

Parque de Exposição Assis Brasil - Ijuí/RS, Parque de Exp. Assis Brasil, atual, Parque de Exposições Vanderlei Agostinho Burmann. Ia imagem mostra autoridades caminhando pelo Parque durante a Feira. Da esquerda para direita: Rubi Matias Dhiel, José Otávio Germano (vice-governador/RS),Bruno Haas, Wilson Mânica, (? fundo), Oliver Scherer (fundo), Adair Casarin, (? fundo). Álbum AI 05570 3.6 0647 (não tem no álbum, apenas, imagens

1ª Expo-Ijuí

  • AI 3.6 0652 05575
  • Item
  • 10/1981

Parque de Exposição Assis Brasil - Ijuí/RS, Parque de Exp. Assis Brasil, atual Vanderlei Agostinho Burmann. Imagem sequencial da foto 5 do álbum AI 05570 3.6 0647. Da esquerda para direita: princesas da Expo-Ijuí, ?, /, Armando Pidol, Oliva Scherer, Rubi Matias Dhiel, Emílio Perondi, Repórter RPI José Henrique da Silva, Wilson Mânica (funda), José Otavio Germano (vice-governador).

1ª Expo-Ijuí

  • AI 3.6 0653 05576
  • Item
  • 10/1981

Parque de Exposição Assis Brasil - Ijuí/RS, imagem sequencial da foto 12 do Álbum AI 05571 3.6 0648. Parque de Exp. Assis Brasil, atual Parque de Exposições Vanderlei Agostinho Burmann. Da esquerda para direita: princesas e Rainha, Armando Pidol/Pitol, Rubi Matias Dhiel, Emílio Perondi, José Otávio Germano, Repórter RPI José Henrique da Silva, Bruno Hass (discurso), repórter, Adair Casarin (1º Presidente Expo).

Ijuí

  • BR RSMADP AI
  • Collection
  • A partir de 1893

Contexto de Ijuí-RS; colonização; imigração; desenvolvimento. Documentação coletada e adquirida por doação da comunidade de Ijuí e destina-se à representação das funções dos diversos setores do município. Os documentos de diferentes gêneros têm relação com seguintes temas: administração pública, genealogia familiar, comunicação, setores da economia, educação, cultura, esporte e lazer, saúde, política e religião.

DESTAQUE DA COLEÇÃO:

Genealogia (Textual);
Cartório Eleitoral de Ijuí (Textual);
Comissão de Terras e Colonização do Arquivo Ijuí (Textual);
Prefeitura Municipal de Ijuí (Textual);
Fotografias (Iconográfico).

CONTEXTO HISTÓRICO DE IJUÍ:
A formação do atual município de Ijuí teve início em 1890, com a criação da Colônia Ijuhy, na região Noroeste do Rio Grande do Sul, considerada oficialmente desse Estado e efetivada por orientação da Comissão de Terras e Colonização. A ocupação da área ocorreu com o incentivo à vinda de diversos grupos étnicos, que conforme Marques e Grzybowski (1990), basicamente eram constituídos por imigrantes europeus ou seus descendentes, provenientes das primeiras áreas de colonização do Rio Grande do Sul, a fim de exercerem atividades agrícolas. Considera-se como data de fundação de Ijuí, 19 de outubro de 1890 (o ano de criação da colônia),
que significou o início da ocupação das últimas áreas disponíveis do Rio Grande do Sul, para onde eram enviados imigrantes recém-chegados da Europa: alemães, teuto-russos, poloneses, italianos, letos, austríacos, húngaros, suecos, franceses, espanhóis e, pouco depois, uma geração moça, excedente das “colônias velhas”, isto é, das áreas ocupadas inicialmente por alemães e italianos a partir de São Leopoldo e Caxias do Sul (MARQUES; GRZYBOWSKI, 1990, p.9-10).

Canabarro (2011), entretanto, ressalta que o território da Colônia era ocupado anteriormente ao processo de colonização europeia, por luso-brasileiros, como os caboclos, mais tarde reconhecidos por “nacionais”, que praticavam a colheita da erva-mate e outros trabalhos agrícolas em pequenas lavouras. Conforme Callai (1987), os caboclos não eram proprietários de terra, suas áreas eram consideradas devolutas, ou sem donos, por isso, salienta-se a importância de recordar que a agricultura e o povoamento de Ijuí não iniciaram com os imigrantes, com esses últimos, apenas se constituiu um processo formal de ocupação, onde a terra passa a ser mercadoria:
Como a colônia era oficial, o governo vendia a terra em condições especiais. O prazo de pagamento da terra era de cinco anos. Ao custo da terra, em muitos casos, eram acrescidas as despesas havidas no transporte e alimentação do imigrante, no fornecimento de ferramentas, sementes, etc. (CALLAI, 1987, p.10-1).

O autor, portanto, explica que para o sucesso da ocupação e colonização, tanto colonos como luso-brasileiros que adquiriram terras para produzir, dependiam, não somente da obtenção de alimento para a própria subsistência, mas de garantir um futuro a longo prazo, como um excedente para pagar a terra adquirida, ter lucro e comprar novas terras. Lazzarotto (2002) afirma que Ijuí foi caracterizada, além da diversidade étnica, pelo trabalho e rápido desenvolvimento, em decorrência da policultura agrícola, posteriormente da mecanização, indústria e comércio, tendo a cidade recebido o codinome de "Colmeia do Trabalho" (IBID., p. 183). O autor explica o desenvolvimento econômico do município em três fases: fase de subsistência; fase de policultura para o mercado interno e exportação; fase de industrialização.

Diversos

Documentos iconográficos (Fotografias)

  • BR RSMADP AI-I
  • Seção
  • 1893-2011
  • Part of Ijuí

A documentação é formada em sua maioria por suportes do processo analógico, em cores e monocromáticos (preto e branco). Há diferentes temas e gêneros fotográficos como retratos e paisagens.

Expo-Ijuí - Casa Portuguesa

  • BR RSMADP AI-I-3-AI 3.6 0630 5162
  • Item
  • s.d.
  • Part of Ijuí

Parque Exposição Wanderley Burmann - Ijuí/RS, A imagem mostra um momento da Missa, celebrada por Frei Genésio, na Casa da Etnia Portuguesa.

Expo-Ijuí, Casa Portuguesa

  • BR RSMADP AI-I-3-AI 3.6 0631 05163
  • Item
  • s.d.
  • Part of Ijuí

Parque Exposição Wanderley Burmann - Ijuí/RS. A imagem mostra doces portugueses, na casa étnica Portuguesa.

Expo-Ijuí - Casa Portuguesa

  • BR RSMADP AI-I-3-AI 3.6 0632 05164
  • Item
  • s.d.
  • Part of Ijuí

Parque Exposição Wanderley Burmann - Ijuí - RS. A imagem mostra mesa com decoração e Gastronomia portuguesa.

Expo-Ijuí - Casa Portuguesa

  • BR RSMADP AI-I-3-AI 3.6 0633 05165
  • Item
  • s.d.
  • Part of Ijuí

Parque Exposição Wanderley Burmann - Ijuí - RS. A imagem mostra um grupo de seis mulheres, vestidas com roupas típicas da etnia portuguesa. Em frente a Casa étnica Portuguesa.

Expo-Ijuí - Casa Portuguesa

  • BR RSMADP AI-I-3-AI 3.6 0634 05166
  • Item
  • s.d.
  • Part of Ijuí

Parque Exposição Wanderley Burmann - Ijuí - RS. A imagem mostra Grupo de Dança Português, em frente à casa étnica.

Expo-Ijuí - Casa Portuguesa

  • BR RSMADP AI-I-3-AI 3.6 0635 05167
  • Item
  • s.d.
  • Part of Ijuí

Parque Exposição Wanderley Burmann - Ijuí - RS. A imagem mostra vista da Casa Portuguesa com algumas pessoas, sentadas na área externa, coberta.

Expo-Ijuí - Casa Portuguesa

  • BR RSMADP AI-I-3-AI 3.6 0637 05169
  • Item
  • s.d.
  • Part of Ijuí

Parque Exposição Wanderley Burmann - Ijuí - RS. A imagem mostra integrantes da Etnia portuguesa, no interior da Casa típica.

Expo-Ijuí - Desfile Étnico

  • BR RSMADP AI-I-3-AI 3.6 0639 05171
  • Item
  • s.d.
  • Part of Ijuí

Ijuí - RS - centro. A imagem mostra desfile étnico, pelo centro da cidade. Integrantes da etnia portuguesa, tipicamente vestidos, desfilam com placa de "500 anos".

Álbum de fotografias da 1ª Expoijuí em 1981

  • BR RSMADP AI-I-3-AI 3.6 0648 05571
  • Item
  • 10/1981
  • Part of Ijuí

Parque de Exposição Assis Brasil, Ijuí, RS. Histórico da Expoijuí: No IMEAB, sob a coordenação do Diretor da Escola, Prof. Adair Casarin e apoio estratégico da Prefeitura, da ACI, da Fidene e da FACACEI/CECA, foi criada uma Comissão Interinstitucional que em 23/5/81 propôs o nome de EXPOIJUÍ ao evento que deveria ser realizado em outubro do mesmo ano, durante o período de 11 a 19/10/81. Desde o início a ExpoIjuí foi realizada no Parque de Exposições Assis Brasil e que teve sua remodelação iniciada em 1984 dando posteriormente ao local nova denominação em homenagem ao prefeito na época: Parque de Exposições Wanderlei Agostinho Burmann.
Com imagens da Cerimônia de inauguração; Hasteamento de bandeiras; recepção de autoridades; discurso de abertura; vista aérea do Parque de Exposições Assis Brasil (atualmente Wanderlei Agostinho Burmann). Com a presença de Viecelli, Professor Afonso C. Haas, Adair Casarin, Seci da I. C. Zardir, Wilson Mânica, Ortiz Scherer, Rainha e princesas, Armando Pidol, Rubi Matias Dhiel, José Henrique da Silva (Repórter RPI), Emílio Perondi, José Otávio Germano, Bruno Haas, Oliver Scherer, Regente Corsan (Maestro da Banda), Nelson Gielser, Armando Porch, Reinaldo Komers, Alberto Hoffmam, Repórter Alberi Gamarra, Abindi, Professor Affonso Haas, Joceli Tomé, Baggeti, Lardin, Regente Corsan, Júlio Brunelli (Banrisul), Luiz Menegon. Expo-ijuí; Expo - Ijuí.

Documentos textuais

  • BR RSMADP AI-T
  • Seção
  • Part of Ijuí

O gênero textual reúne documentos referentes à administração municipal, à genealogia familiar (aproximadamente 500 famílias), casas comerciais, indústrias e outras instituições (ligadas à agropecuária, prestação de serviços, meios de comunicação e transporte, benemerentes, classistas, culturais, esportivas, recreativas, estudantis, comunitárias, político-partidárias, religiosas e de saúde). Recortes de jornais também compõem os documentos textuais, com matérias colecionadas pelo primeiro diretor do MADP, Martin Fischer, sobre os assuntos e entidades municipais.
DESTAQUE DA SEÇÃO:
Genealogia (Textual): documentos classificados no tema “0. Generalidades” como históricos familiares, árvores genealógicas, documentos como certidões de batismo, casamento, nascimento e óbito, passaportes e outros documentos de famílias ijuienses.

Cartório Eleitoral de Ijuí (Textual): Documentos classificados no tema “0. Generalidades/0.1 Administração Pública", que reúne 26.780 processos eleitorais das décadas de 1950, 1960 e 1970. Com frequência, a documentação é pesquisada para fins de subsidiar processos de aposentadoria e levantamentos genealógicos.

Comissão de Terras e Colonização do Arquivo Ijuí (Textual): Documentos classificados no tema “1. Administração Municipal”, com 378 registros de lotes urbanos e rurais da Colônia Ijuhy, datados de 1877 a 1912, anteriores à emancipação do município de Ijuí. A documentação é pesquisada como fonte de comprovação histórica e sociocultural da colonização local. Os documentos estão Microfilmados e digitalizados.

Prefeitura Municipal de Ijuí (Textual): Documentos classificados no tema “1. Administração Municipal”, que reúne 96.626 documentos da Administração Pública Municipal custodiados pelo MADP, sendo 1.054 relatórios de atividades da Intendência Municipal e de Secretarias (de 1912 a 1981), 15.593 telegramas expedidos e recebidos (de 1912 a 1982) e 63.839 correspondências expedidas e recebidas (de 1911 a 1973). O índice dos documentos está disponível na Sala de Pesquisa.

Família Beck

  • BR RSMADP CB
  • Collection
  • 1982-1985

Autor (fotografias): Família Beck; contexto de Ijuí-RS; colonização; imigração. O conjunto documental reúne documentos fotográficos produzidos pela Família Beck e documentos textuais coletados e parte dos documentos coletados não procedem da Família Beck (Recortes de jornal).
DESTAQUE DA COLEÇÃO
Documentos fotográficos em diferentes suportes: fotografias em papel e negativo de vidro.

Família Beck

Documentos iconográficos (Fotografias)

As fotografias da Família Beck apresentam uma diversidade de temas e gêneros fotográficos, como as vistas e os retratos.
DESTAQUE DA COLEÇÃO
Imagens de vistas urbanas, os retratos ao ar livre e em estúdio, as fotografias de família.
O negativo de vidro, considerado um suporte fotográfico de alta qualidade da imagem e durabilidade, tem um volume expressivo no acervo. A partir dos negativos foram feitas as imagens positivas através de cópias por contato em papel.

Família Beck

Documentos Textuais

Os documentos textuais foram reunidos pela seleção de registros familiares e pertencentes ao negócio, como também inclui alguns recortes de jornais com o histórico da família e de Alfredo Beck. Inclui recortes de jornais do Museu sobre o fotógrafo.

Eduardo Jaunsem

  • BR RSMADP CJ
  • Collection
  • 1978-1986

Autor (fotografias): Eduardo Jaunsem; contexto de Ijuí-RS; colonização; imigração. O conjunto documental reúne documentos fotográficos produzidos pelo fotógrafo e documentos textuais coletados e parte dos documentos textuais coletados não procedem de Eduardo Jaunsem (Recortes de jornal).

DESTAQUE DA COLEÇÃO
Documentos fotográficos em diferentes suportes: fotografias em papel e negativo de vidro.

Eduardo Jaunsem

Documentos iconográficos (Fotografias)

As fotografias de Eduardo Jaunsem apresentam uma diversidade de temas e gêneros fotográficos, como as vistas e os retratos.
DESTAQUE DA COLEÇÃO
São destaques as imagens de vistas da natureza, o cotidiano do homem no campo ou meio rural (agricultura), fotografias artísticas.
O negativo de vidro, considerado um suporte fotográfico de alta qualidade da imagem e durabilidade, tem um volume expressivo no acervo. Entre 2005 e 2007, o Museu realizou a duplicação de segurança dos negativos para filmes, bem como a reprodução das imagens positivas, através do projeto "Preservação/Publicização da Coleção Eduardo Jaunsem", aprovado pela Lei de Incentivo à Cultura Federal - PRONAC - MECENATO do Ministério da Cultura (MinC).

Eduardo Jaunsem

Documentos textuais

Os documentos textuais são compostos pela seleção de registros pessoais e também inclui recortes de jornais do Museu sobre o fotógrafo.

Retrato fotográfico de família: mãe, pai e filhos da família Gieseler. Luiz Germano Gieseler (autor).

Emílio Ernesto (Emil Ernst) nascido em Santa Cruz/RS (20/03/1899) e falecido em Santa Rosa/RS (12/11/1980); Emílie Anna, nascida em Santa Cruz/RS (17/06/1894) e falecida em Ijuí/RS (18/11/1949) e Henrique Arthur Max (Heinrich Arthur Max, o tio Max) nascido em Santa Cruz/RS (14/09/1896) e falecido em Tunas, Giruá/RS (20/07/1978); Adolfo Ricardo Guilherme (Adolf Richard Wilhelm) nascido em Ijuí/RS (11/01/1911) e falecido em Ijuí/RS (24/10/1997); Paulo Otto Germano (Paul Otto Hermann, pai de Edgar Beno Gieseler) nascido em Ijuí/RS (16/04/1906) e falecido em Ijuí/RS (28/01/1992).
FORMA DO CONTEÚDO:
Local: Bosque na propriedade da Família Gieseler. Linha1, Leste, Ijuí, RS, Brasil. A imagem mostra o casal Luiz Germano Gieseler (Ludwig Hermann Gieseler) e Maria Emilia com os filhos em fotografia externa, ao ar livre, que poderia ser as proximidades da residência e ou do Rio Potiribu. Da esquerda para a direita estão em pé, na fila de trás: Emílio Ernesto (Emil Ernst); Emílie Anna e Henrique Arthur Max (Heinrich Arthur Max, o tio Max). Da esquerda para a direita à frente estão: o pai Luiz germano Gieseler (Ludwig Hermann Gieseler); Adolfo Ricardo Guilherme (Adolf Richard Wilhelm); Paulo Otto Germano (Paul Otto Herman) e a mãe Maria Emílie.

Retrato fotográfico de infância dos filhos de Luiz Germano e Maria Emilia Giseler. Luiz Germano Gieseler (autor).

Local: Propriedade da Família Gieseler. Linha1, Leste, Ijuí, RS, Brasil. A imagem mostra os filhos do casal Luiz Germano Gieseler (Ludwig Hermann Gieseler) e Emílie em frente à porta casa de tijolos à vista em Ijuí-RS, com data aproximada entre 1912 e 1914, "as roupas usadas eram sempre feitas em casa pela própria família". Da esquerda para a direita na fila de trás estão: Emílie Anna; Emílio Ernesto (Emil Ernst); Henrique Arthur Max (Heinrich Arthur Max, o tio Max); na fila da frente: Adolfo Ricardo Guilherme (Adolf Richard Wilhelm); Paulo Otto Germano. Fonte: adaptado do relato escrito de Edgar Gieseler, pasta 2.

Fotografia instantânea de Paulo Otto Germano Gieseler alimentando os animais. Luiz Germano Gieseler (autor).

Local: Propriedade da Família Gieseler. Linha1, Leste, Ijuí, RS, Brasil. O menino Paulo Otto Germano Gieseler alimentando os filhotes de patos e brincando com os cachorros. O espaço fica próximo à residência da família e ao fundo, um galpão chamado "ferraria" onde preparavam peças metálicas (ferro) usadas no moinho.

Retrato fotográfico de Adolfo Guilherme Gieseler e economia familiar rural. Luiz Germano Gieseler (autor).

Local: Propriedade da Família Gieseler. Linha1, Leste, Ijuí, RS, Brasil. Colheita manual do milho, uma criança sentada sobre a carroça com dois cavalos, junto aos alimentos colhidos. O menino parece o filho caçula de Luiz Germano Gieseler, Adolfo Guilherme, mas não há identificação confirmada.

Paisagem fotográfica: vista da propriedade da família Gieseler, paisagem arquitetônica e natural. Luiz Germano Gieseler (autor).

Local: Propriedade da Família Gieseler. Linha1, Leste, Ijuí, RS, Brasil. A imagem mostra o moinho, ao lado a residência da família Gieseler e os galpões. Ao lado oposto da propriedade está a cachoeira do Rio Potiribu e a Usina Hidrelétrica (hoje Usina Velha), com apenas a primeira turbina geradora de energia. A foto pode ser do período entre 1923 e 1932, cuja vista da imagem foi capturada da estrada que dá acesso à Usina. Fonte: adpatado da pesquisa e relato feitos por Edgar Beno Gieseler, pasta 1

Autorretrato fotográfico. Luiz Germano Gieseler (autor).

Autorretrato de Luiz Germano Gieseler utilizado em anúncio do moinho. Não há indícios, registros que mencionem ser um autorretrato, porém, na época já era possível realizar a própria imagem de forma autônoma controlando o tempo do obturador.

Fotografia criativa: roda d´água do moinho dos Gieseler, vista parcial arquitetônica. Luiz Germano Gieseler (autor).

Local: Propriedade da Família Gieseler. Linha1, Leste, Ijuí, RS, Brasil. Data da foto está relacionada à data da imagem do "lenhador" (LGG C29 305), devido à geada, em 22/07/1915. A imagem mostra a água congelada que vem da bica do rio, também no cocho de água para equinos, próximo à roda do moinho, instalado para os animais dos clientes que ali paravam. Fonte: texto aptado da pesquisa e relato feitos por Edgar Beno Gieseler, pasta 1.

Paisagem fotográfica: vista parcial do moinho dos Gieseler. Luiz Germano Gieseler (autor).

Local: Propriedade da Família Gieseler. Linha1, Leste, Ijuí, RS, Brasil. A imagem mostra o prédio do moinho colonial de Luiz Germano Gieseler, juntos à cascata do Rio Potiribu, Usina Velha. Na janela aparecem Maria Emilie com um dos filhos, na outra janela ao lado, outro filho e no andar de baixo, na escada da porta de entrada, mais um dos filhos em pé. Também, em torno do moinho estão alguns animais como porcos soltos no pátio.

Paisagem fotográfica: residência da família Gieseler, vista arquitetônica. Luiz Germano Gieseler (autor).

FORMA DO CONTEÚDO:
Local: Linha 1, Leste-Ijuí, RS, Brasil. Primeiro Plano: uma perspectiva da edificação, mas com destaque maior para os fundos da residência, posição ao norte, cuja porta dá acesso à cozinha, que mostra a chaminé que fica sobre a varanda, de frente para o Rio Potiribu. Plano de detalhes: no pátio estão as sobras dos materiais utilizados na construção da edificação e um cão que passeia no entorno, há uma figura masculina de chapéu, na entrada da cozinha e duas crianças na janela do sótão ou último andar da casa, todos podem ser os filhos de Luiz Germano Gieseler. Na lateral, com vistas para o oeste, está a fachada principal da residência, com porta de acesso principal, cercada com um gradil e pilares de tijolos à vista seguindo o mesmo acabamento da construção. Plano de fundo: palmeiras plantadas no lado oposto à entrada da cozinha, ao sentido sul. A casa, com três níveis: o porão no nível inferior; no nível intermediário, ficam as portas de acesso, janelas dos cômodos e a varanda; no nível superior, o sótão com janela. A cobertura da edificação possui telhas de madeira falquejada e a chaminé coberta com folhas de zinco. A construção da casa foi concluída em 1912.

Paisagem fotográfica: residência da família Gieseler, vista arquitetônica. Luiz Germano Gieseler (autor).

A casa família Gieseler foi projetada por Luiz Germano Gieseler e por ele construída com ajuda de um grupo de homens, que não há registro quem eram exatamente. A conclusão da obra foi em 1912 e a edificação existe até hoje (2018) e possui três níveis: o porão no nível inferior; no nível intermediário, ficam as portas de acesso, janelas dos cômodos e a varanda; no nível superior, o sótão com janela. A cobertura da edificação possui telhas de madeira falquejada e a chaminé coberta com folhas de zinco.
FORMA DO CONTEÚDO:
Local: Linha 1, Leste-Ijuí, RS, Brasil. Primeiro Plano: uma perspectiva da construção com destaque a duas fachadas: uma em direção ao sul, com palmeira na lateral e apenas janelas; outra, em direção leste, com varanda e jardineira, que dá de frente para o rio Potiribu. Plano de detalhes: no pátio estão as sobras dos materiais utilizados na construção da edificação. Plano de fundo: uma segunda construção que fica para a fachada da cozinha da residência, onde está localizada a chaminé. A casa, com três níveis: o porão no nível inferior; no nível intermediário, ficam as portas de acesso, janelas dos cômodos e a varanda; no nível superior, o sótão com janela. A cobertura da edificação possui telhas de madeira falquejada e a chaminé coberta com folhas de zinco. A construção da casa foi concluída em 1912. Casa residencial de Luiz Germano Gieseler, vista da lateral sul.

Paisagem fotográfica: Obras da residência da família Gieseler, vista arquitetônica. Luiz Germano Gieseler (autor).

A casa família Gieseler foi projetada por Luiz Germano Gieseler e por ele construída com ajuda de um grupo de homens, que não há registro quem eram exatamente. A conclusão da obra foi em 1912 e a edificação existe até hoje (2018) e possui três níveis: o porão no nível inferior; no nível intermediário, ficam as portas de acesso, janelas dos cômodos e a varanda; no nível superior, o sótão com janela. A cobertura da edificação possui telhas de madeira falquejada e a chaminé coberta com folhas de zinco.
FORMA DO CONTEÚDO:
Local: Linha 1, Leste-Ijuí, RS, Brasil. Primeiro Plano: uma perspectiva da edificação, mas com destaque maior para os fundos da residência, posição ao norte, cuja porta dá acesso à cozinha, que mostra a chaminé que fica sobre a varanda, de frente para o Rio Potiribu. Plano de detalhes: no pátio estão as sobras dos materiais utilizados na construção da edificação e um cão que passeia no entorno, há uma figura masculina de chapéu, na entrada da cozinha e duas crianças na janela do sótão ou último andar da casa, todos podem ser os filhos de Luiz Germano Gieseler. Na lateral, com vistas para o oeste, está a fachada principal da residência, com porta de acesso principal, cercada com um gradil e pilares de tijolos à vista seguindo o mesmo acabamento da construção. Plano de fundo: palmeiras plantadas no lado oposto à entrada da cozinha, ao sentido sul. A casa, com três níveis: o porão no nível inferior; no nível intermediário, ficam as portas de acesso, janelas dos cômodos e a varanda; no nível superior, o sótão com janela. A cobertura da edificação possui telhas de madeira falquejada e a chaminé coberta com folhas de zinco. A construção da casa foi concluída em 1912.

Retrato do bebê Ida Guilherme Gieseler. Luiz Germano Gieseler (autor).

Neta de Luiz Germano, Ida Erika Gieseler (07/01/1928, Ijuí-RS-13/06/2012, Tunas/Santa Rosa-RS), filha de Henrique Arthur Max e Justina Ida, nascida Lausch. Ida Erika foi casada com Gustavo Essenburg, alguns de seus filhos eram Helga e Conrado.
Local: Propriedade da Família Gieseler. Linha1, Leste, Ijuí, RS, Brasil. A imagem mostra Ida Erika Gieseler tomando banho numa banheira de metal, localizada na varanda da casa de seu pai, Luiz Germano. A residência ficou pronta em 1912.

Fotografia instantânea de crianças e adolescentes em momento de lazer e diversão no rio Potiribu. Luiz Germano Gieseler (autor).

Local: Rio Potiribu, Linha 1, e seus amigos no rio Potiribu, Leste, Ijuí, RS, Brasil. A imagem mostra os filhos de Luiz Germano Gieseler com outras crianças e adolescentes (podem ser parentes) em momento de diversão e lazer no Rio Potiribu, com canoas. A cena mostra os momentos em que as canoas viram e todos pulam ou caem na água.

Paisagem fotográfica: vista arquitetônica da praça da República de Ijuí. Luiz Germano Gieseler (autor).

O centro de Ijuí tem como espaços destacados, a primeira praça, a atual Praça da República, bem como as igrejas luterana e católica, que ficam neste local: de um lado a Igreja Matriz Nossa Senhora da Natividade (Católica Apostólica Romana), do outro, a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), conhecida localmente como “Igreja do Relógio”.
FORMA DO CONTEÚDO:
Local: Praça da República, Ijuí, RS, Brasil. Primeiro Plano: tem como objeto central, a praça, com a arborização terminada em 1913. Plano de detalhes: cercas de proteção em volta da praça, para bloquear a entrada de animais, principalmente o cavalo, que era muito utilizado na época como meio de transporte e estes eram amarrados nas cercas, enquanto seus proprietários estavam em seus compromissos no centro. Plano de fundo: aparece a Igreja Matriz Nossa Senhora da Natividade, com prédio da época e torre do sino em estrutura de madeira, bem como edificações ao lado.

Fotografia de fatos da atualidade: vista parcial arquitetônica Igreja do Relógio (IECLB). Luiz Germano Gieseler (autor).

Local: Praça da república, ijuí, Rio Grande do Sul (RS), Brasil. A Igreja do Relógio, oficialmente Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), localizada na Praça da República, também foi conhecida por "Igreja da Cruz" pelo formato de construção em cruz, como das capelas em estilo gótico, cuja planta baixa mostra a forma de crucifixo. "A foto, sem data, provavelmente no dia de sua inauguração, o espaço frontal é a Praça da República, nota-se uma cerca que protegia a praça da entrada de cavalos a qual também servia para amarrá-los pelo lado da rua. A Comunidade Evangélica de Ijuí iniciou suas atividades oficialmente na então Colônia de Ijuhy no dia 19 de janeiro de 1895, em acordo com relatos encontrados nas buscas da pesquisa realizada. A igreja teve sua planta elaborada durante o ano de 1907 e inaugurada em 08 de maio de 1914, a pedra fundamental teve seu lançamento em 07 de janeiro de 1909. Os preparativos e o movimento para a construção do templo principal da igreja iniciaram na gestão do pastor Hermann Rosenfeld, de 1903 a 1912, porém este não presenciou a construção da obra pois voltou para sua pátria de origem Alemanha, de 1912 a 1913 foi substituído pelo pastor Hans Henn. Em março de 1913 Henn foi substituído pelo pastor Karl Gottschald, sendo a igreja inaugurada na gestão deste e Albino Brendler, cujo nome completo era Arthur Albino Brendlerfoi presidente da comissão de construção". Fonte: texto adaptado da pesquisa e relato feitos por Edgar Beno Gieseler, pasta 1

Fotografia fatos da atualidade: vista parcial do evento da Escola Alemã. Luiz Germano Gieseler (autor).

A imagem, sem data registrada mostra o primeiro prédio próprio do Colégio Evangélico Augusto Pestana (CEAP), parece estar ocorrendo uma festa no local. O CEAP foi inaugurado em 18 de outubro de 1914, cujos terrenos foram doados pelo intendente provisório de Ijuí, ainda em 1912, engenheiro Augusto Pestana. A escola contava com duas salas de aula e uma sala para a secretaria, as paredes eram de madeira e as divisórias eram de alvenaria. Sua origem se deu com a fundação de Escola Alemã em 1899, porém em outro local, também conhecida como "Escolinha da Roça”. Nos dois primeiros anos funcionou na baixada da atual Avenida Coronel Dico em um casebre/galpão emprestado por Luiz Keller. A pequena escola fechou por dois anos e em 1903 reabriu como "Escola Paroquial" junto da Casa Paroquial da Comunidade Evangélica de Ijuí até 1914, local em que hoje está o Centro Evangélico de Confissão Luterana no Brasil (IECLB). O local da sede do CEAP que mostra a imagem, desde 1914 permanece em funcionamento, mas com edificação mais recente de alvenaria e funciona até hoje (2018). Fonte: Adaptado da pesquisa e relato de Edgar Beno Gieseler, pasta 1.

Fotografia fatos da atualidade: vista parcial do evento da Escola Alemã. Luiz Germano Gieseler (autor).

A imagem, sem data registrada mostra o primeiro prédio próprio do Colégio Evangélico Augusto Pestana (CEAP), parece estar ocorrendo uma festa no local. O CEAP foi inaugurado em 18 de outubro de 1914, cujos terrenos foram doados pelo intendente provisório de Ijuí, ainda em 1912, engenheiro Augusto Pestana. A escola contava com duas salas de aula e uma sala para a secretaria, as paredes eram de madeira e as divisórias eram de alvenaria. Sua origem se deu com a fundação de Escola Alemã em 1899, porém em outro local, também conhecida como "Escolinha da Roça”. Nos dois primeiros anos funcionou na baixada da atual Avenida Coronel Dico em um casebre/galpão emprestado por Luiz Keller. A pequena escola fechou por dois anos e em 1903 reabriu como "Escola Paroquial" junto da Casa Paroquial da Comunidade Evangélica de Ijuí até 1914, local em que hoje está o Centro Evangélico de Confissão Luterana no Brasil (IECLB). O local da sede do CEAP que mostra a imagem, desde 1914 permanece em funcionamento, mas com edificação mais recente de alvenaria e funciona até hoje (2018). Fonte: Adaptado da pesquisa e relato de Edgar Beno Gieseler, pasta 1.

Paisagem fotográfica de fatos da atualidade: enchente de 1928 e a cheia do rio próximo a Usina hidrelétrica de Ijuí (Usina velha). Luiz Germano Gieseler (autor).

Local: Linha 1, Leste-Ijuí, RS, Brasil. "A grande enchente ocorrida em Ijuí/RS, a foto de 08/09/1928 retrata o Rio Potiribu junto a primeira Usina do Município, inaugurada em 1923, hoje 27/12/2014, chamada de "Usina Velha", aparecendo o prédio que na época abrigava a primeira turbina geradora de energia elétrica, a água tomou conta de todo entorno do prédio, ficando ilhado [...] contava sobre a foto de que esta foi a maior enchente havida até aquela data". Fonte: pesquisa feita por Edgar Beno Gieseler, conforme pasta 1.

Paisagem fotográfica de fatos da atualidade: enchente de 1928 e a cheia do rio próximo a Usina hidrelétrica de Ijuí (Usina velha) Luiz Germano Gieseler (autor).

Local: Linha 1, Leste-Ijuí, RS, Brasil. "A grande enchente ocorrida em Ijuí/RS, a foto de 08/09/1928 retrata o Rio Potiribu junto a primeira Usina do Município, inaugurada em 1923, hoje 27/12/2014, chamada de "Usina Velha", aparecendo o prédio que na época abrigava a primeira turbina geradora de energia elétrica, a água tomou conta de todo entorno do prédio, ficando ilhado [...] contava sobre a foto de que esta foi a maior enchente havida até aquela data". Fonte: pesquisa feita por Edgar Beno Gieseler, conforme pasta 1.

Paisagem fotográfica de fatos da atualidade da enchente 1928 e cheia do rio Potiribu próximo à Usina Hidrelétrica. Luiz Germano Gieseler (autor).

Local: Linha 1, Leste-Ijuí, RS, Brasil. "A grande enchente ocorrida em Ijuí/RS, a foto de 08/09/1928 retrata o Rio Potiribu junto a primeira Usina do Município, inaugurada em 1923, hoje 27/12/2014, chamada de "Usina Velha", aparecendo o prédio que na época abrigava a primeira turbina geradora de energia elétrica, a água tomou conta de todo entorno do prédio, ficando ilhado [...] contava sobre a foto de que esta foi a maior enchente havida até aquela data". Fonte: pesquisa feita por Edgar Beno Gieseler, conforme pasta 1.

Paisagem fotográfica de fatos da atualidade: enchente de 1928 e a cheia do rio próximo a Usina hidrelétrica de Ijuí (Usina velha). Luiz Germano Gieseler (autor).

Local: Linha 1, Leste-Ijuí, RS, Brasil. "A grande enchente ocorrida em Ijuí/RS, a foto de 08/09/1928 retrata o Rio Potiribu junto a primeira Usina do Município, inaugurada em 1923, hoje 27/12/2014, chamada de "Usina Velha", aparecendo o prédio que na época abrigava a primeira turbina geradora de energia elétrica, a água tomou conta de todo entorno do prédio, ficando ilhado [...] contava sobre a foto de que esta foi a maior enchente havida até aquela data". Fonte: pesquisa feita por Edgar Beno Gieseler, conforme pasta 1

Casa residencial de Luiz Germano Gieseler, vista da lateral sul,

Paisagem fotográfica de fatos da atualidade: vista arquitetônica das obras da Usina Hidrelétrica (Usina velha). Luiz Germano Gieseler (autor).

A imagem mostra as obras da Usina pela empresa Luchsinger e Cia, junto à cascata, cachoeira do Rio Potiribu num período que poderia ser a segunda década de XX. "Inicialmente foi instalada uma turbina hidráulica (movida à água) como mostra a foto. A queda dá água ao fundo, com 11,20 metros, de acordo com projeto da usina de 1920, do relatório de 1º/12/1919 a 30/11/1920, gera a força para mover a turbina, as tubulações da foto, em três partes, após montadas numa tubulação só, conduz a água a partir de um canal, bem acima à direita na foto, até a turbina. O prédio também em construção abriga até hoje o mecanismo gerador da energia elétrica. Foi inaugurada em 15 de novembro de 1923, recebida neste dia pelo então Intendente Municipal Coronel Antônio Soares de Barros, o Coronel Dico. Em junho de 1923, a título de experiência, começou a funcionar a iluminação pública de Ijuí, conforme Relatório da Intendência Municipal de Ijuí, 1º/12/1919 a 30/11/1920. Na época, sendo maior a geração de energia elétrica do que o consumo, o excedente era vendido para o município de Santo Ângelo, a partir de julho de 1924, cujo contrato tinha o prazo de 29 anos durante as 24 horas, do dia. A rede de alta tensão condutora da energia elétrica para o vizinho município de Santo Ângelo iniciava junto da Usina Velha, atravessando o rio Potiribu e na propriedade do meu avô Luiz Germano Gieseler tinha início a colocação dos postes de madeira para sustentação da mesma, seguindo até Santo Ângelo. Após o encerramento do contrato de fornecimento de energia a rede foi desativada e desmanchada, sendo que a sua contratação foi executada pelo engenheiro Luiz Carlos Prestes, o qual várias vezes almoçou e jantou na casa dos meus avós, posteriormente ele foi o líder da famosa "Coluna Prestes". A residência dos meus avós, na época, foi uma das primeiras moradias do município beneficiados com eletricidade. Posteriormente, na foto, no local onde estão depositadas as tubulações, foi construído o prédio para a instalação da segunda turbina, inaugurada em 1932. Não possuo a identificação das pessoas da foto. No lado esquerdo da foto, bem ao nível de cima da queda d´água nota-se o início da "bica" que conduzia a água para mover o moinho da nossa família, localizado no lado oposto da usina e do Rio Potiribu". Fonte: pesquisa feita por Edgar Beno Gieseler, conforme pasta 1.

Paisagem fotográfica de fatos da atualidade: vista arquitetônica das obras da Usina Hidrelétrica (Usina velha). Luiz Germano Gieseler (autor).

A imagem mostra as obras da Usina pela empresa Luchsinger e Cia, junto à cascata, cachoeira do Rio Potiribu num período que poderia ser a segunda década de XX. "Inicialmente foi instalada uma turbina hidráulica (movida à água) como mostra a foto. A queda dá água ao fundo, com 11,20 metros, de acordo com projeto da usina de 1920, do relatório de 1º/12/1919 a 30/11/1920, gera a força para mover a turbina, as tubulações da foto, em três partes, após montadas numa tubulação só, conduz a água a partir de um canal, bem acima à direita na foto, até a turbina. O prédio também em construção abriga até hoje o mecanismo gerador da energia elétrica. Foi inaugurada em 15 de novembro de 1923, recebida neste dia pelo então Intendente Municipal Coronel Antônio Soares de Barros, o Coronel Dico. Em junho de 1923, a título de experiência, começou a funcionar a iluminação pública de Ijuí, conforme Relatório da Intendência Municipal de Ijuí, 1º/12/1919 a 30/11/1920. Na época, sendo maior a geração de energia elétrica do que o consumo, o excedente era vendido para o município de Santo Ângelo, a partir de julho de 1924, cujo contrato tinha o prazo de 29 anos durante as 24 horas, do dia. A rede de alta tensão condutora da energia elétrica para o vizinho município de Santo Ângelo iniciava junto da Usina Velha, atravessando o rio Potiribu e na propriedade do meu avô Luiz Germano Gieseler tinha início a colocação dos postes de madeira para sustentação da mesma, seguindo até Santo Ângelo. Após o encerramento do contrato de fornecimento de energia a rede foi desativada e desmanchada, sendo que a sua contratação foi executada pelo engenheiro Luiz Carlos Prestes, o qual várias vezes almoçou e jantou na casa dos meus avós, posteriormente ele foi o líder da famosa "Coluna Prestes". A residência dos meus avós, na época, foi uma das primeiras moradias do município beneficiados com eletricidade. Posteriormente, na foto, no local onde estão depositadas as tubulações, foi construído o prédio para a instalação da segunda turbina, inaugurada em 1932. Não possuo a identificação das pessoas da foto. No lado esquerdo da foto, bem ao nível de cima da queda d´água nota-se o início da "bica" que conduzia a água para mover o moinho da nossa família, localizado no lado oposto da usina e do Rio Potiribu". Fonte: pesquisa feita por Edgar Beno Gieseler, conforme pasta 1.

Paisagem fotográfica de fatos da atualidade: cheia do Rio Potiribu e construção da segunda ponte.Luiz Germano Gieseler (autor).

A imagem mostra a cheia do rio Potiribu durante obras da construção da segunda ponte (esquerda da imagem), ainda com a presença da primeira toda em madeira (direita da imagem). Próximo à propriedade da família Luiz Germano Gieseler, há a estrada que dá acesso à mesma, atualmente a rodovia RS-155, que passa sobre o rio Potiribu, antes denominado rio Conceição, também conhecido como rio “Da ponte”. Neste trecho da estrada existiram ao longo do tempo três pontes. A primeira ponte, toda em madeira, existiu antes de 1912, mas não foi localizada a data exata de sua construção, mas a partir desta que o rio passou a ser chamado de rio da Ponte. A segunda ponte, com estrutura composta de alvenaria e madeira, foi inaugurada em 1912. No Relatório dos Negócios de Obras Públicas da Comissão de Terras e Colonização do Ijuhy, ano de 1911, páginas 140 e 141, item Viação, arquivado junto ao Museu Antropológico Diretor Pestana consta: "Há em toda região 23 pontes e está em construção uma ponte sobre o Rio da Ponte, na Linha 1 Leste e está estudada a ponte sobre o Rio Conceição, mas infelizmente não tive ainda ordem para iniciar sua construção". Por fim, a terceira ponte, inteiramente de concreto, existente atualmente (2018) foi inaugurada na década de 1970.
FORMA DO CONTEÚDO:
Local: Linha 1, Leste-Ijuí, RS, Brasil. Primeiro Plano: tem como objeto central, obras da segunda ponte sobre o Rio Potiribu e ainda, a primeira ao lado, toda em madeira, todavia, tem destaque o elevado nível da água do rio. Plano de detalhes: nível da água que cobre a margem do rio e algumas habitações que aparecem no lado direito da imagem, as curvas da estrada. Plano de fundo: vegetação nativa.

Paisagem fotográfica de fatos da atualidade: seca do Rio Potiribu e a segunda ponte. Luiz Germano Gieseler (autor).

Próximo à propriedade da família Luiz Germano Gieseler, há a estrada que dá acesso à mesma, atualmente a rodovia RS-155, que passa sobre o rio Potiribu, antes denominado rio Conceição, também conhecido como rio “Da ponte”. Neste trecho da estrada existiram ao longo do tempo três pontes. A primeira ponte, toda em madeira, existiu antes de 1912, mas não foi localizada a data exata de sua construção, mas a partir desta que o rio passou a ser chamado de rio da Ponte. A segunda ponte, com estrutura composta de alvenaria e madeira, foi inaugurada em 1912. No Relatório dos Negócios de Obras Públicas da Comissão de Terras e Colonização do Ijuhy, ano de 1911, páginas 140 e 141, item Viação, arquivado junto ao Museu Antropológico Diretor Pestana consta: "Há em toda região 23 pontes e está em construção uma ponte sobre o Rio da Ponte, na Linha 1 Leste e está estudada a ponte sobre o Rio Conceição, mas infelizmente não tive ainda ordem para iniciar sua construção". Por fim, a terceira ponte, inteiramente de concreto, existente atualmente (2018) foi inaugurada na década de 1970.
FORMA DO CONTEÚDO:
Local: Linha 1, Leste-Ijuí, RS, Brasil. Primeiro Plano: tem como objeto central, a ponte sobre o Rio Potiribu, todavia, tem destaque a seca rio. Plano de detalhes: as pedras vegetação no entorno da ponte. Plano de fundo: estrada que passa sobre a ponte e vegetação nativa.

Fotografia de fatos da atualidade evento esportivo em Ijuí. Luiz Germano Gieseler (autor).

Local: Ijuí, Rio Grande do Sul, Brasil. O período aproximado pode ser entre 1910 e 1912. Na cena do evento esportivo aparecem um colchão sobre o chão para amaciar a queda, espectadores, juiz, etc. Ao fundo poucas casas, prevalece a mata, o local da apresentação deve ser nas imediações do atual (2018) colégio Ruizinho e Primeira Igreja Batista. No plano de fundo da imagem, onde aparece a mata, deve ser o local onde atualmente está sediada a Sociedade Ginástica Ijuí - SOGI. Fonte: adaptado da pesquisa feita por Edgar Beno Gieseler, conforme pasta 1.

Fotografia fatos da atualidade: fotografia documental de evento esportivo em Ijuí-RS. Luiz Germano Gieseler (autor).

Local: Ijuí, Rio Grande do Sul, Brasil. Apresentação de um grupo de ginastas da época na Praça da República, lado sul, nota-se à esquerda os palanques da cerca que protegia a praça e a torre de madeira que abrigava o sino da primeira construção da Igreja Matriz Nossa Senhora da Natividade, com os primeiros coqueiros plantados. Fonte: pesquisa feita por Edgar Beno Gieseler, conforme pasta 1.